FAMÍLIA & CRIANÇAS

É bizarro, mas alguns bebês podem morrer se tomar água! Por que isso acontece e como evitar que o pior aconteça!

October 19, 2018 04:24

A Hiponatremia é uma condição irregular do corpo em razão das baixíssimas taxas de sódio no sangue e alta concentração de água. Talvez seja impossível para um adulto ser afetado pela hiponatremia, mas em bebês pode ser fatal.

Normalmente, os adultos precisam se lembrar constantemente de beber água e manter-se hidratados, mas isso não funciona bem assim para recém-nascidos. Geralmente, os bebês não podem beber água até completarem 6 meses de vida. Antes disso, ele consegue sua hidratação e nutrientes através do leite materno ou do leite em pó especial para bebês – o Leite Nan é um dos fortes representantes do leite em pó para essa fase.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Mãe posta foto de filha "amamentando" a boneca e é alvo de comentários de ódio

Por isso que deixar um bebê tomar muita água pode fazê-lo com que desenvolva uma rara condição chamada Hiponatremia – quando há muita água, os eletrólitos (Sódio) acabam por diluir-se e as células, para conter o excesso de água no corpo, começam a absorver essa água, inchando-se.

Isso pode ser fatal a eles pois essa condição pode fazer a água ser levada até o cérebro e causar edema cerebral – as células cerebrais também começam a absorver a água em excesso, causando enjoo, mal estar, sonolência e até convulsões – e em casos mais graves, morte por intoxição de água.

Para tratar esta alteração, é necessário fazer a reposição de soro com sódio, prescrita pelo médico, na quantidade necessária de acordo com cada caso. O tratamento da Hiponatremia pode variar – desde cortar a quantidade de água que é ingerida ou em casos mais sérios, precisa-se de doses intravenosas de eletrólitos e medicações. Vale lembrar que não produzimos o sódio, mas sim, ele vem de nossa alimentação – o sal é uma das fontes mais comuns do Sódio.

Voltando aos nossos bebês, o corpo deles não comporta uma grande quantidade de água. Isso porque os seus rins são pequenos (e é importante dizer, estão em desenvolvimento), e assim como os adultos, há um limite para que possam lidar. Se tomarem água em excesso, a água será expelida com grandes quantidades de sódio – já que ele seria diluído – ou até mesmo essa quantidade pode voltar a corrente sanguínea e contaminar as células.

Para bebês que não conseguem tomar o leite materno, é recomendado o leite fortificado. Porém ao preparar esse leite, as instruções devem ser seguidas à risca – a quantidade de água necessária deverá ser o necessário para diluir o preparado a ponto de ficar consistente sem que fique muito líquido. Em alguns casos, se o neném tiver gastroenterite (inflamação aguda que compromete os órgãos do sistema gastrointestinal, sendo um problema mais comum no verão e em locais sem tratamento de água, rede de esgoto, água encanada e destino adequado), o médico recomendará bebidas eletrólitas, como Gatorade, a fim de prevenir a desidratação fetal.

Dessa forma, verificar se os bebês terão problemas cardíacos, hepáticos ou insuficiência renal é importante. Algumas doenças e até mesmo alguns medicamentos como anti-inflamatórios podem prejudicar a absorção de água no organismo. Portanto, os pais devem tomar cuidado e verificar se, através de exames, os seus filhos possuem propensão a desenvolver essa condição rara.

Nosso corpo possui sua própria inteligência. Os pais precisam aprender a enxergar os sinais que as crianças dão, pois eles manifestarão suas necessidades naturalmente. Inclusive, quando algo está errado.

Fonte: Business Insider, Mayo Clinic, Baby Center

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: "Minha mãe morreu no chuveiro": Garoto de 5 anos soube agir às pressas para salvar a vida de sua mãe


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.