INSPIRAÇÃO

A menina de 12 anos foi chamada de "Pequena Mozart" graças às suas habilidades musicais

November 10, 2017 18:40

Uma das coisas mais lindas de se testemunhar é quando uma criança já sabe exatamente onde está o seu talento e o compartilha com o mundo. Há simplesmente algo maravilhoso e puro sobre crianças superdotadas, e é quase impossível se contentar com pouco.

Alma Deutscher é uma garota de 12 anos que vem dando o que falar quando se trata de talentos musicais. A talentosa música compôs sua primeira sonata no piano aos seis anos de idade e, segundo o The Telegraph, começou a ler partituras de músicas muito antes de aprender a ler palavras.

A música, cujo gênero é o da tradição clássica-romântica, muitas vezes foi referida como a "Pequena Mozart" devido à sua escrita musical e habilidades para tocar piano.

gettyimages

Na verdade, Alma vem de uma família de gênios; sua mãe detém doutorado em Poesia inglesa antiga na Universidade de Cambridge, enquanto seu pai é matemático com doutorado em linguística da mesma universidade, que foi onde o casal se encontrou.

Alma, que é educada em casa, pratica sua música pelo menos uma vez por dia. Ela também tem uma imaginação muito poderosa, que, de acordo com seu pai, poderia ser o que a torna tão grande com a música.

Sobre sua imaginação, Guy, o pai de Alma, diz: "Tudo borbulha como um vulcão".

A menina já descreveu um fenômeno que experimentou quando as melodias apareceram em sua cabeça totalmente formadas. A tarefa, então, se tornou transformar todas em uma ópera perfeita.

A própria Alma não consegue realmente explicar esse conceito. "É um mistério para mim também", ela disse.

gettyimages

Descobriu-se que seus pais não gostaram muito que ela fosse chamada de a "Pequena Mozart", dizendo que isso poderia acabar pressionando indevidamente a jovem. Na entrevista ao Telegraph, Guy disse:

O que vai acontecer quando ela tiver 18 anos e pensar: "Meu deus, não escrevi a Requiem e não escrevi a Don Giovanni. Ainda não escrevi as maiores obras do mundo, sou um fracasso". Isso é um absurdo.

Alma, no entanto, prefere ser conhecida por seu próprio nome ao contrário de qualquer comparação com pessoas famosas.

Em uma entrevista à BBC em 2012, a mãe de Alma, Janie Deutscher Née Steen, se recorda do momento em que sua filha se apaixonou pela música.

Aos três, ela ouviu uma canção de ninar de Richard Strauss e veio até nós e disse: "...como a música pode ser tão bonita?". Ela ficou impressionada com a beleza da canção.

A jovem gênio tem quatro óperas concluídas até o momento. Em 2012, ela criou "The Sweeper of Dreams", uma história sobre uma garota de 16 anos que teve que provar que era a pessoa certa para um emprego depois que os entrevistadores riram dela por ser mulher.

Em 2016, sua segunda ópera, "Cinderela - A versão de Câmara Inicial", foi criada e se baseou na história de Cinderela, mas com um toque musical. A Madrasta Malvada tinha uma empresa de produção de ópera. Apesar das duas irmãs não serem muito talentosas, Cinderela, por outro lado, era uma compositora natural e acabou encontrando um poema de amor, que foi escrito pelo príncipe, um poeta, mas, no momento, não sabia disso. Cinderela usou o poema em uma de suas músicas, que acabou sendo roubada por suas meias-irmãs e cantada no baile. No entanto, Cinderela cantou sua melodia para o príncipe, sem saber que ele era o autor do poema. Depois de fugir do baile à meia-noite, o príncipe a procurou usando a melodia. Eventualmente, eles se encontraram.

Alma criou a ópera "Cinderela - A Versão de Viena" em 2016. O jornal vienense Der Standard descreveu o trabalho de Alma, dizendo "essa incrível garota, que também escreveu esta ópera surpreendentemente boa, brilha com ideias originais".

Foi anunciado que "Cinderela - Versão Completa" será estreada na Califórnia em dezembro de 2017.

Um vídeo de Alma tocando piano foi recentemente publicado na página do Facebook do programa de TV 60 Minutes, onde foi visualizado mais de 169.000 vezes.

O fato de que Alma é um gênio musical dificilmente pode ser contestado. Ela já chegou tão longe, apesar de ser tão jovem e, claramente, ainda tem muito mais para apresentar ao mundo.