DICAS

Este brasileiro foi como voluntário dar aulas de eletricidade gratuitamente no Haiti: "faço por amor ao próximo"

December 22, 2017 13:35

Renato José Barbosa tem 47 anos, é morador da Zona Leste de São Paulo, tem sua rotina como todas as pessoas comuns que habitam essa megalópole. Trabalha, paga suas contas, vai à igreja, leciona, viaja para o Haiti para formar uma turma de eletricistas gratuitamente... Bem, talvez Renato não seja como um paulistano mediano no frigir dos ovos.

Esse dedicado professor de Elétrica é formado pela Universidade Mackenzie e vem usando de seu recurso intelectual para salvar vidas aqui no Brasil e, agora, também no Haiti.

Dedicado às missões que auxiliam a salvar a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade, o professor Renato já havia ajudado um grupo de alunos em maio deste ano, beneficiários do curso de eletricista que ministrou no Núcleo Boracea (um dos sete CAs [Centros de Acolhida] do Complexo Boracea), a conseguir seu certificado.

O melhor disso tudo é que Renato concedeu o conhecimento e uma possibilidade de futuro para essas pessoas sem cobrar um único centavo. Ele exerceu função como representante do "Instituto Mudavidas", uma ONG que leva pessoas em situação de rua ao mercado de trabalho e sua atuação foi como voluntário.

VEJA TAMBÉM: Exemplo de solidariedade: senhor de 89 anos junta latas para ajudar famílias necessitadas

A declaração que Renato deu à SMADS (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Socialda Prefeitura da Cidade de São Paulo) foi de quem possui um coração cheio de boa vontade: ‘’o curso vai dar a pessoa que está em situação de vulnerabilidade muito empoderamento para que possa buscar seu emprego na área de elétrica".

Renato "Mudavidas" no Haiti

Foi exatamente esse coração recheado de solidariedade que levou o tecnólogo em Eletricidade quatro vezes para o Haiti. Renato faz parte de uma congregação evangélica como pastor e foi como missionário que visitou o país pela primeira vez.

Seu primeiro contato foi com os órfãos e toda a situação precária dos nativos daquele país tocaram profundamente o coração desse paulistano. Para ele, a miséria foi o que mais impactou: "A miséria é muito grande. Não chega nem perto do Brasil", sempre diz em relatos.

"Comecei com os órfãos. Muitos aqui só fazem uma refeição diária e energia só tem a noite. É uma situação muito difícil viver no Haiti. O país já teve guerra, terremoto e furacão e todas essas coisas trouxeram muita destruição e pobreza", conta Renato em entrevista ao Perfeito.

Nas primeiras visitas ao país, Renato só conseguiu ficar no máximo 8 dias. Como os recursos eram provenientes da igreja - já que não havia condições com recursos próprios de organizar essa empreitada -, o professor não poderia ficar lá por mais tempo. Mesmo assim, em uma de suas curtas estadias construiu uma cozinha no orfanato para auxiliar as crianças.

Renato Barbosa

Renato quis fazer mais pelos haitianos. Depois de realizar o projeto como instrutor pelo "Instituto Mudavidas" frente à Prefeitura de São Paulo, ele decidiu: voltaria ao país e formaria uma turma de eletricistas lá também. E foi o que fez.

Renato Barbosa

Dessa vez, com o apoio e os recursos possibilitados pelo "Instituto Mudavidas" , Renato chegou ao país no dia 30 de novembro e pôde passar 22 dias dando suporte às necessidades dos haitianos e, mais ainda, ministrando o curso de eletricista que, de tão bem sucedido, formou a sua primeira turma na quarta-feira, 20 de dezembro.

Renato Barbosa

"A mesma coisa que faço com pessoas em situação de rua no Brasil eu fiz aqui. Eu ensino que eles precisam gerar a própria energia, é isso pode gerar muito trabalho", conta o professor voluntário.

Renato explica como as aulas voltadas para eletricidade limpa com solução de energia inteligentes podem salvar a vida de muitos haitianos: "Nosso curso abordamos a energia solar fotovoltaica, que uma energia renovável e limpa para um país que tem energia somente a noite, porque tem pouca energia é uma das melhores soluções", elucida, Barbosa e aponta: "Um país com pouca energia se desenvolve pouco".

Formatura certificada pelo "Instituto Mudavidas" e assinadas pela solidariedade de Renato

A assessora de comunicação da ONG, Carla Soares, explica que sem o apoio da instituição dificilmente um haitiano conseguiria ter acesso a uma graduação e certificação desse porte: "Esse curso de eletricidade lá custa em torno de 200 dólares. O Mudavidas, por meio do Renato, está dando o curso gratuito".

Com esse suporte, o "Instituto Mudavidas" conseguiu formar 30 alunos na primeira turma no Haiti. O resultado foi comemoradíssimo tanto pelo solidário professor quanto pela ONG.

Abaixo, algumas imagens da formatura:

1.

Renato Barbosa

2.

Renato Barbosa

3.

Renato Barbosa

4.

Renato Barbosa

Questionado sobre o porquê Renato tomou esse ímpeto de solidariedade e o repetiu pelo quarto ano consecutivo ele nem titubeou: "É a única forma deles saírem disso; é com ajuda das pessoas",  enfatizou o professor do "Instituto Mudavidas", que está levando esperança dentro e fora do Brasil.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Caroline Garcia trocou uma carreira promissora para mudar a vida de quem vive nas ruas