Afiadíssima! Em entrevista, Betty Faria critica política,

CELEBRIDADES

Afiadíssima! Em entrevista, Betty Faria critica política, defende José Mayer e confessa aborto: “Que bom que eu fiz, não queria ter aquele filho”

Date July 16, 2018 22:36

Manter a vida pessoal longe dos holofotes e evitar dar opiniões é uma prática comum no meio artístico. Mas aos 77 anos, a atriz global Betty Faria chocou o público ao dar uma entrevista bastante polêmica e não demonstrar receio em tratar de assuntos polêmicos como aborto, estupro e legalização das drogas.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Maria Ribeiro gera polêmica ao defender legalização do aborto: “Eu acho que o aborto só não é legal para os pobres”

Em um papo de duas horas e meia com uma repórter do site Universa, a atriz debateu sobre diversos temas de forma divertida, exasperada e inquieta. De acordo com o relato da própria jornalista, Betty recusou várias vezes a oferta para se sentar.

“Durante todo esse tempo, responde às perguntas de pé - ela não quis se sentar de jeito nenhum -, dá golpes de luta no ar - quando conta, por exemplo, como se defendeu de uma tentativa de estupro - dança, gargalha com os braços para o alto e gruda todo o corpo contra a parede, ventre, seios e mãos, ao ouvir da reportagem que ela é uma mulher sexy”, narrou a repórter.

Em um dos momentos mais delicados da entrevista, Betty confessa que chegou a abortar uma gravidez indesejada. De acordo com a atriz, não existe qualquer arrependimento da decisão tomada com a consciência tranquila e ajuda de médicos.

“Abortos são momentos que traumatizam, que você se lembra. Momentos da sua vida que foram violentos. Mas que bom que eu fiz. Que bom que eu fiz. Eu não queria ter aquele filho. E eu sempre tive bons médicos. Caros. Competentes. E-fim-de-papo”, desabafou.

Demonstrando não ter receio de tratar sobre qualquer assunto, a atriz é questionada sobre o uso de maconha para controlar uma artrite reumatóide que a incomoda há anos e nega o fato, acrescentando que: “Não dá certo. Maconha me dá larica e vou pra cozinha comer Nescau. Gorda e com dor, é foda”, reclama. Mas alega que fuma a droga socialmente. “Faço o que eu quiser da minha vida”, declarou.

Quando o assunto parte para o âmbito do assédio moral e sexual no mundo da arte, ela mostra a língua afiada mais uma vez.

Sobre os casos revelados em Hollywood, critica atrizes que fizeram denúncias anos após o fato acontecer. “Por que não abriram o bico na hora? Porque não convinha! Pegaram o papel, entendeu? Eu quero ver a que tem peito de dar um murro, uma joelhada no saco e perder o papel”.

Mais uma vez, surpreende ao comentar sobre o colega de emissora, José Mayer, afastado das novelas desde o ano passado, quando a figurinista Su Tonani o acusou de assédio sexual. “É um super ator, que foi seriamente prejudicado. Acho que foi um carma espiritual pintar aquela piveta na vida dele”, declarou Betty que ainda afirmou ter trabalhado por vários anos ao lado do ator e nunca ter sofrido assédio ou o visto assediar outra mulher.

Por fim, a atriz ainda comentou sobre o momento político e declarou que não deve ir às urnas em outubro. O motivo, além do fato de não ser mais obrigada por lei a votar, é a falta de um candidato que a represente.

“Eu só votaria num candidato que tivesse colhão de dizer: vou regularizar as drogas, acabar com o tráfico e botar todos os meninos no colégio, o dia inteiro. A proibição não deu certo! Não deu certo! É hipocrisia”.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Procura por “abortos caseiros” pela Internet aumenta a cada ano, segundo pesquisa do Google e isso não é nada bom!