"Não é mimimi": Ludmilla assume cabelos crespos e revela q

CELEBRIDADES

"Não é mimimi": Ludmilla assume cabelos crespos e revela que foi rejeitada em trabalho por ser negra.

Date July 18, 2018 16:19

Em entrevista para a revista Joyce Pascowitch, Ludmilla contou sobre o momento que está vivendo em sua carreira e não teve papas na língua ao tocar em assuntos polêmicos.

A cantora de apenas 23 anos se revolta ao falar das situações que racismo ao qual foi vítima. Revelou que foi rejeitada em muitas propostas de trabalho só pelo fato de ser negra:

"Teve marca que queria uma cantora para representá-la, mas por ser negra disse que eu não servia. As pessoas tentam tapar o sol com a peneira, mas ainda acontece demais. Não é mimimi!”, contou.

Ludmilla decidiu em 2017 passar por uma transição capilar, que é quando a pessoa decide se livrar de todo processo químico que fez no cabelo, como alisamento, escova progressiva, relaxamento etc, e voltar a ter os fios de forma natural, sendo eles crespos ou cacheados.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Do nariz até a perna! Depois de várias cirurgias plásticas, Ludmilla exibe seu novo corpo modelado pra ninguém botar defeito

Na revista, a estrela exibe seus dreads, mas admite que não foi fácil para ela assumir os cachos, que sempre teve os cabelos como alvo de comentários preconceituosos.

Ludmilla relata que cresceu acreditando que seu cabelo era errado, achava que era o mais feio do planeta e as pessoas com quem ela andava, sempre alisavam o cabelo também. Ter cabelo cacheado era algo impensável para a cantora. No entanto, seu pensamento sobre o assunto atualmente é totalmente diferente de antes:

"Hoje, aprendi a usá-lo e entendi que todos nós somos bonitos, basta a gente botar para fora e confiar mais na gente", comemora a funkeira.

Mesmo com toda "militância" a respeito do racismo pelo qual é vítima, a cantora não quer ser rotulada. Ela afirma que as pessoas querem colocar discursos em cima dela, querem mais representatividade. Admite que sabe da importância de sua figura no Brasil e o que ela representa para as meninas de onde ela veio. No entanto, a cantora de funk conta que só quer continuar a viver a vida dela:

"Só desejo que as pessoas sejam felizes", conclui.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Gente como a gente: Ludmilla tem dia de fã e tieta Beyoncé em show na Holanda