Quer se dar bem com seus filhos? Ouça música com eles

Família & Crianças

May 4, 2018 23:24 By Fabiosa

Já é comprovado que alguns tipos de músicas podem alterar a frequência cerebral e por consequência, todo o estado de humor e disposição de uma pessoa. Isso porque a música, dependendo do seu estilo, pode tirar a mente do foco de alguma preocupação ou irritação, pode remeter a lembranças positivas ou apenas acalmar os pensamentos.

Olena Yakobchuk / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Música que cura: pesquisa revela que a música pode ajudar no tratamento de hipertensão

O que ainda não se sabia é que a música pode alterar a forma como os pais se relacionam com seus filhos. A descoberta foi realizada pela Universidade do Arizona e publicado no periódico Family Communication e revelou que ouvir música em família pode fortalecer os vínculos, tanto no momento presente quanto para o futuro.

O estudo observou um grupo de jovens adultos com faixa etária em torno de 21 anos, que foram entrevistados sobre a frequência que costumavam realizar atividades com músicas com seus pais quando eram crianças, entre os 8 e 13 anos ou dos 14 anos em diante. As atividades incluíam apenas ouvir ou tocar algum instrumento, frequentar shows ou outros eventos musicais com seus pais.

Ivanko80 / Shutterstock.com

Para a surpresa dos pesquisadores, aqueles que vivenciaram experiências musicais com seus pais, independente da idade, apresentaram uma melhor percepção da qualidade do relacionamento. Os cientistas explicam que a música estimula dois aspectos que fortalece o vínculo. São eles: a coordenação e a empatia.

Africa Studio / Shutterstock.com

A coordenação não é necessariamente a habilidade para se tocar algum instrumento, pois ela também acontece quando duas pessoas ouvem música ou dançam ou cantam juntos. Já a empatia é gerada através da interação favorecida com a música.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Musicoterapia: Estudos confirmam o poder da música no cérebro


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado