Mãe faz desabafo emocionante sobre racismo sofrido por sua

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Mãe faz desabafo emocionante sobre racismo sofrido por sua filha [vídeo]

Date June 8, 2018 16:28

No início de junho, um vídeo em que uma mãe publicou no dia 15 de maio, onde desabafa sobre o racismo sofrido por sua filha de 4 anos sofreu no parquinho do edifício onde vivem, viralizou e comoveu muita gente.

A publicação, originalmente postada em forma de texto, foi feita pela empresária e youtuber Ana Paula Xongani que lamentou a solidão que é imposta à mulheres negras desde cedo.

No vídeo ela conta que ao chegar em casa com a filha, a menina pediu para ir brincar com outras crianças no parquinho do edifício, mas que quando ela se aproximou das outras meninas, ela fugiram imedatamente.

Ana Paula diz que essa é a imagem da solidão que as mulheres negar sofrem. "Não existe forma mais honesta de eu explicar para vocês o que é a solidão de uma mulher negra", diz ela em lágrimas no vídeo.

 

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Essa arquiteta só queria depositar seu cheque, mas foi exposta à uma cena de racismo inaceitável

A empresária ainda conta que ao perguntar à filha se suas amigas não queriam brincar com ela, a menina lhe disse que sempre é assim e que já estava acostumada.

"É sempre assim mãe, mas eu não me importo, gosto de brincar sozinha", lhe respondeu a pequena.

Mas Ana Paula questiona se isso é mesmo verdade ou se a menina estava apenas se protegendo para não sofrer mais e assumir que o motivo era outro: ela ser negra.

 

"Será que gosta? ou aos 4 anos já se protege na solidão?", indaga ela.

O vídeo de Ana Paula é um alerta para que todos saibam que o racismo começa cedo e que suas vítimas acabm sempre ficando isoladas.

"Essa solidão começa muito cedo, começa na infância. O racismo é aprendido pelas estruturas e reproduzido pelos pequenos de forma assustadora", diz ela.

A empresária termina seu vídeo fazendo uma dura reflexão de que todas as mulheres negras passam por isso, mas que quando acontece com um filho, o racismo machuca muito mais.

"Nós mulheres negras vivemos esses mesmos traumas na infância, foi ruim mas com o passar do tempo a gente esqueceu, superou ou refletiu em outros momentos da vida. Mas ser mãe te faz reviver alguns deles, e dessa vez de forma mais intensa e muito mais dolorosa", finalizou ela.