Duas crianças morrem diariamente no Brasil vítimas de afogamentos. Entenda como prevenir e salvar a vida de um bebê!

Família & Crianças

July 27, 2018 10:06 By Fabiosa

Quando você ou alguém familiar ou mesmo um amigo tem a perspectiva de recebr um bebê em alguns meses, a notícia é trazida carregada de emoção e alegria. Porém, com a chegada desse "serzinho" a preocupação com seu cuidado e saúde também aumenta.

Saklakova / Shutterstock.com

As crianças são ingênuas e durante alguns anos, indefesas. Elas precisam de uma supervisão constante de seus atos, pois em pouco tempo podem acabar realizando alguma ação que as deixa em um grande perigo. Vide os casos de afogamento.

Gajus / Shutterstock.com

Ao contrário do que muita gente pensa, para a criança correr risco de afogamento, ela não precisa morar em uma casa com piscina ou mesmo ir até a praia ou região de lagoa. Crianças de 0 a 4 anos de idade, ainda são incapazes de realizarem muita força para tirar seu próprio corpo de alguma situação difícil.

MCarper / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Este menino se afogou em casa depois que voltou da praia. O pai dele quer alertar outras pessoas

Ou seja, se um bebê simplesmente tropeça e cai dentro de algo que está com água acumulada e seu corpo fica preso de cabeça para baixo, basta ter apenas 2,5 cm de água que a criança já pode se afogar. Por isso, que existem casos como: uma pessoa deixava um tambor grande para acumular água da chuva, aí um dia uma criança foi brincar e caiu dentro do tambor, ela ficou de cabeça para baixo e encurralada no objeto, o bebê não conseguiu se desvencilhar e morreu afogado.

Esse tipo de história não é exagero, são fatos. Acidentes acontecem e é preciso preveni-los! Dados do Ministério da Saúde demonstram que o afogamento é a segunda maior causa de mortes de crianças no Brasil. 

Sakala / Shutterstock.com

Portanto, fique atento aos passos da criança. Sempre deixe baldes, bacias e banheiras viradas para baixo e vazios, depois do uso. Sempre tranque as portas dos banheiros e de sua lavanderia(se tiver algum acúmulo de água por lá), lembre-se que uma criança pode se afogar até mesmo no sanitário. Se possui cisternas e poços em casa, sempre mantenha-os trancados com cadeados.

Se na sua casa tem piscina, tampe-a com lonas ou coloque cerca em sua volta( mais de um metro de altura) ou mesmo instale alarmes de proteção. Você também pode fazer isso tudo junto, se for bem prevenido. Eduque a criança a nunca nadar sozinha e sem um adulto por perto. Colocá-la na natação com instrutores capacitados, também pode salvar sua vida!

Tropical studio / Shutterstock.com

Entretanto, se mesmo com os cuidados, algum tipo de acidente acontecer, leve a criança imediatamente para o hospital. Sim, mesmo se alguém conseguir perceber e salvá-la em pouco tempo de afogada(difícil saber quanto tempo, já que provavelmente ele se afogou, pois ninguém olhava) e a criança sair falando e aparentando normalidade, leve-a. 

Sk Elena / Shutterstock.com

Existem relatos de crianças que horas depois do acontecido, começaram a apresentar febre e sonolência. Isso chama-se afogamento secundário e acontece quando muita água entra e se instala no pulmão. Até mesmo depois de horas, o bebê começa a apresentar dificuldade de respirar, dor no peito e tosse. Logicamente esse quadro pode levá-lo a morte.

heartor / Shutterstock.com

Portanto, previna cada lugarzinho que imagina como sendo perigoso para a criança e inspecione de perto seus passos. Se mesmo assim algo acontecer, corra para o hospital. Esse conjunto de dicas é muito importante e pode salvar a vida de uma criança.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Maior esquiador americano perde filha de 19 meses, vítima de afogamento “Nunca em um milhão de anos pensamos que sentiríamos uma dor como essa”