Justiça foi feita! Três anos após assistirem seu bebê morrer de infecção generalizada por erro médico, casal vence batalha no tribunal!

Família & Crianças

October 13, 2018 01:37 By Fabiosa

Todos nós sabemos que uma das maiores dores para os pais é quando a ordem natural é invertida completamente e um filho se vai antes de um pai. Agora, se o caso envolver um bebê e ficar constatado que a criança morreu por um erro médico que poderia ser resolvido facilmente, é impossível não ficar indignado. E essa dor misturada à indignação dominaram o coração de um casal, que perdeu seu bebê de 12 meses por causa de nada mais, nada menos que uma simples catapora.

Os médicos não detectaram uma infecção generalizada e ignoraram todos os sintomas, todo o sofrimento e todos os alertas que os pais deram ao hospital, que decidiu não se importar com sinais claros de perigo. Os pés do bebê estavam inchados e roxos e ele ardia em febre.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Muito triste! Após bebê morrer asfixiado, mãe faz alerta e se emociona ao lembrar cuidados que todos devem ter com seus filhos

O casal Nichol Boys e Dave Hope viu o seu bebê Layton morrer na frente de seus olhos.

"Nenhum pai deveria ter que passar por isso e lidar com isso. Nós pensamos que ele estava no melhor lugar, mas, aos meus olhos, eles não fizeram tudo o que deveriam ter feito. Nós não podemos nunca aceitar isso".

Em 2015, Layton foi levado às pressas para o hospital por seus pais preocupados depois que ele ficou sem fôlego e estava febril. Os pais alegaram que ele estava se recuperando bem de uma crise de catapora que pegou de seu irmão James, quando de repente ficou doente em casa.

O bebê foi avaliado pela primeira vez por um médico no meio da tarde, que notou um aumento do fígado do nenê e a possibilidade de uma infecção bacteriana. "No entanto, apesar disso, nenhuma observação adicional foi feita para avaliar a condição de Layton nas seis horas seguintes", disse a mãe indignada! 

Eles, com razão, entraram numa batalha judicial para que o hospital fosse responsabilizado! Depois de 3 anos de luta, eles conseguiram Justiça. O Hospital se comprometeu a pagar para a família uma indenização de muitos dígitos, mas a família não está 100% satisfeita, pois a instituição não quer assumir a responsabilidade pela morte do bebê.

O pai, Dave, virou um ativista e segue em suas sociais lutando para que outros pais não passem pela mesma dor que eles passaram! 

 

Infelizmente, em todos os lugares estamos propensos a passar pelo mesma tragédia.

No interior de São Paulo, na cidade de São José do Rio Preto, uma criança de 8 anos que estava com catapora morreu com uma infecção generalizada por causa da doença. No mesmo período, um bebê de 2 aninhos havia falecido em Franca (outra cidade do interior do estado) pelo mesmo motivo.

As autoridades na época informaram que os pais acreditam que, por ser considerada "doença de criança", muitos cuidados alternativos (como aplicação de banhos) são administrados pelos pais e os hospitais são procurados em última hora (quando são procurados). É preciso tomar cuidado sempre!

Precisa ter muito cuidado

A catapora tem altíssimo grau de contagio e é, também, altamente infecciosa. Por ano, mais de 9 mil pessoas (em sua maioria crianças) são internadas no Brasil por causa do vírus varicela-zóster. Como a doença é sazonal, é mais comum o aparecimento de surtos de agosto a novembro. A identificação é rápida (febre, erupções na pele, dor no corpo), mas é preciso cuidado, pois uma catapora mal curada pode evoluir para uma infecção generalizada.

Os médicos orientam a evitar o famoso AAS (ácido acetilsalicílico). Além disso, é preciso evitar locais quentes demais e manter uma dieta leve rica em líquidos e ficar de repouso. O repouso é essencial e evitar o máximo possível o com outras pessoas, pois a doença é altamente contagiosa.

Qualquer indício de febre alta (que não baixe), inchaço em algum membro ou marcas arroxeadas, é necessário correr para uma emergência mais próxima.

 

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Aos 20 anos, blogueira brasileira morre em decorrência de doença repentina e que mata em questão de horas