Conheça a história da mulher mais velha do mundo, que diz

Conheça a história da mulher mais velha do mundo, que diz ter vivido cada um dos seus 128 anos infeliz

Família & Crianças

June 22, 2018 17:26 By Fabiosa

Enquanto os cientistas e as pessoas comuns tentam descobrir o segredo da longevidade, algumas pessoas enxergam os longos anos de vida como um sacrifício.

Pode ser difícil acreditar até conhecer a história da mulher mais velha do mundo, que afirma que em todos os seus 128 anos de vida, não teve um dia em que ela se sentiu feliz.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: “Cromossomo do amor”: disse o padre peruano ao adotar um bebê com Síndrome de Down no dia em que completou 51 anos

Ela se chama Koku Istambulova e, como seus registros se perderam durante a Segunda Guerra Mundial na Chechênia, sua idade não foi comprovada, mas seu passaporte registrou a data de nascimento em 1° de junho de 1889.

A idade avançada, a experiência de vida e tantos anos de aprendizado seriam motivos de orgulho para qualquer pessoa, mas infelizmente não é o caso de Koku. Ela demonstra ter passado pela vida sem viver um único dia de felicidade.

Ela diz estar cansada. Da infância, tem apenas lembranças dolorosas por ter sido agredida pela avó por não se vestir adequadamente. Depois passou a vida trabalhando, cavando buracos no campo e plantando melancia.

Ela viveu em um período muito difícil na Rússia, sobreviveu à Primeira Guerra Mundial, depois à Revolução Russa, depois passou pela Segunda Guerra Mundial e vivenciou a deportação de todo o povo checheno ao Cazaquistão e à Sibéria sob as ordens de Josef Stalin.​​​​​​​

Koku se despediu de todos os seus filhos, que já faleceram. A mais velha viveu até os 104 anos. Ela não demonstra ter absorvido lições de vida durante sua vida até agora. “Olhando para minha vida infeliz, gostaria de ter morrido jovem”, desabafa Koku, que diz que não está vivendo e sim se “arrastando”.

Para a mulher mais velha do mundo, a longevidade significa uma punição: “Foi a vontade de Deus e de forma alguma é uma dádiva”.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: De volta às origens: chef de cozinha da periferia carioca se forma na França e retorna para ajudar sua comunidade