Único bebê a nascer com Ebola congênito e sobreviver já

INSPIRAÇÃO

Único bebê a nascer com Ebola congênito e sobreviver já tem mais de dois anos

Date 31 de maio de 2018

Em outubro de 2015, uma mulher grávida e infectada pelo vírus do Ebola chegou ao posto do Médicos Sem Fronteiras, na Guiné, em trabalho de parto.

Sem a presença de um ginecologista, a mulher deu à luz com ajuda de uma médica do centro e da enfermeira Nubia Aguiar, que é brasileira.

Infelizmente a mãe da pequena bebê faleceu logo após o parto e a menina foi encaminhada para realizar um tratamento que ainda era experimental na época.

Os tios da menina resolveram homenagear a enfermeira que ofereceu o primeiro atendimento à mãe e deu o nome da menina de Nubia.

Hoje, com 2 anos e meio, ela é o primeiro bebê a sobreviver depois de nascer de uma mãe infectada pelo vírus do Ebola, que varreu a África Ocidental em uma terrível epidemia.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Organização Mundial da Saúde alerta para 7 doenças com riscos global de contaminação

Segundo uma das médicas responsáveis pelo tratamento da pequena, Séverine Caluwaerts, a bebê teve sorte por ter nascido no fim da epidemia, mas mesmo assim o fato de ela ter sobrevivido é um marco na história da medicina.

"Nubia é uma virada no jogo. Antes dela, nenhum bebê havia sobrevivido ao Ebola congênito. Ela mudou isso", afirmou a médica em entrevista ao jornal The Telegraph.

Agora, Séverine Caluwaerts vem apresentando o caso de Nubia em convenções dos Médicos Sem Fronteiras com a esperança de que o tratamento feito na bebê possa ser replicado em outros lugares que sofrem com epidemias do vírus.

Atualmente uma nova epidemia da doença foi registrada na República Democrática do Congo e os médicos têm esperanças de que casos como o de Nubia possam impedir que se repita o que aconteceu na África Ocidental entre 2013 e 2016.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Epidemia de ebola ressurge: entenda por que ainda não encontraram a cura para esse mal