Que tal meditar em um caixão? Cafeteria tailandesa oferece

INSPIRAÇÃO

Que tal meditar em um caixão? Cafeteria tailandesa oferece desconto para os clientes que toparem o desafio

Date May 12, 2018 07:13

Você é uma daquelas pessoas apaixonadas por um cafezinho? A coisa fica ainda melhor se a cafeteria onde você resolveu tomar um gole da bebida te oferecer um desconto, não é mesmo? Pois os clientes de uma cafeteria da Tailândia poderiam até conseguir o desconto, mas teriam que passar um tempinho refletindo dentro de um caixão.

O fundador da cafeteria diz que o objetivo é fazer as pessoas refletirem sobre a morte. Segundo Efe Veeranut Rojanaprapa, o principio da reflexão vem de um ensinamento budista que diz: “Quando alguém é ciente da morte diminui o nível de egoísmo”.

O criador do estabelecimento que fica na cidade de Bangcoc, Tailândia, é um acadêmico e estudioso das questões sociais. Ele afirma que muitos clientes que provam a experiência voltam mais fortes e livres de sentimentos negativos, como a ira e a cobiça.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Cafeteria muda política de preços por conta dos clientes grosseiros e atitude viraliza na cidade!

O café foi inaugurado no início do ano e traz uma temática bem peculiar. Além de sua atração principal, um caixão branco, decoração de flores e cadeiras em volta, outras coisas chamam a atenção dos clientes. Os nomes das bebidas também dão o tom do lugar. Nascimento, morte, velhice e sofrimento, são alguns exemplos da criatividade do dono em toda a temática do café.

Além de entrar no caixão, que tem a tampa fechada por uma das funcionárias do estabelecimento, ficar lá dentro por quanto tempo achar necessário, o cliente do estabelecimento também tem a oportunidade de escrever as suas últimas vontades, e até planejar o próprio funeral.

O proprietário segue firme nas convicções sobre os pensamentos budistas, e acredita que o capitalismo afastou a Tailândia deles. Acredite ou não, a cafeteria pode ser uma boa parada na sua viagem ao país.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Homens negros presos injustamente nos Estados Unidos abrem mão de indenização para ajudar outros jovens negros