Um garoto de 12 anos foi impedido de frequentar a escola por conta do seu penteado; um ano depois a justiça foi feita!

O que você faria se o seu filho fosse mandado embora da escola por conta de um penteado? Essa foi a situação que Tuesday Flanders teve que enfrentar quando seu garotinho de apenas 12 anos recebeu uma ordem para cortar os seus cabelos para continuar a frequentar as aulas.

undefined
Suzanne Tucker / Shutterstock.com

O pequeno Chikayzea Flanders foi suspenso de uma escola em seu primeiro dia de aula, em setembro de 2017, pois não poderia frequentar a instituição de ensino com seus dreadlocks.

Sua mãe considerou um absurdo tamanha imposição de uma escola a uma criança. 

Ela buscou seus direitos contra esta decisão precipitada que, além de prejudicar seu filho, poderia traumatizá-lo por um longo período. 

Como a família pertence à religião Rastafári, a mãe do estudante considerou uma ofensa à suas crenças esta ordem, já que tradicionalmente este é o cabelo usado pelos fiéis do movimento. 

Além de trocar o filho de escola, Tuesday foi à justiça reivindicar o direito de escolha em relação a um estilo de cabelo de um jovem em um colégio. 

undefined

gettyimages

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Absurdo! Professora manda menina de 4 anos prender ou alisar o cabelo para ser aceita pelos colegas

Felizmente, um ano depois do ocorrido, a família e a escola conseguiram entrar em um acordo e Chikayzea poderá voltar a frequentar as aulas, mas com uma condição. Sim, eles ainda impuseram uma condição:

O garoto precisará manter os cabelos amarrados ou cobertos por um pano de cor definida pelo instituto, para que suas madeixas não toque o colarinho do uniforme. 

Segundo o diretor, o uniforme deve ser mantido igualmente entre todos os alunos. A escola abriga jovens de diferentes condições financeiras e isto ajuda a manter a igualdade entre todos. 

O acordo beneficiou todos os envolvidos. A comissão de igualdade e direitos humanos (que ajudou a família no processo), comemorou que a escola se redimiu do feito e aceitou o pequeno de volta. 

Além da decisão, a justiça determinou que a família deve receber uma indenização da instituição de ensino. 

E você o que achou da história? Parece que o mundo ainda precisa de muita igualdade entre todos. 

Fonte: BBC

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Absurdo! Professora nos Estados Unidos perde seu emprego por postar vídeo dançando

Recomendamos