Crenças populares? Isso tudo pode ser apenas mito. Conheça algumas certezas que já foram desmascaradas!

Quando a medicina e a ciência não eram tão avançadas, as pesquisas também não eram realizadas das maneiras devidas. Assim, os avanços na saúde, a autoproteção e os ensinamentos de cura, eram passados de geração em geração, através da sabedoria popular e da observação prática.

Isso funcionou durante muito tempo e ainda funciona em alguns casos, mas muitas vezes essas crenças populares perpetuam ideias que são verdadeiros mitos. Ninguém sabe ao certo como alguns desses costumes surgem, mas um dos preceitos da ciência é realizar uma pesquisa com um grande número de pessoas, assim a pesquisa se torna mais confiável e menos viciada em certos segmentos de pessoas.

Gatherina / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Mitos e verdades sobre o açúcar

Por exemplo, sempre se falou que comer cenoura faz bem para a visão. Entretanto, não há nem uma comprovação científica desse fato. É bem verdade que a legume contém betacaroteno e essa é uma vitamina muito utilizada pelas células da retina. Acontece que, a cenoura não possui muito mais dessa substância do que vários outros alimentos por aí. O motivo da cenoura ter sido escolhida para a honra de salvar a vista e não outro alimento, não sabemos! 

Billion Photos / Shutterstock.com

Estalar os dedos é bom e causa uma sensação de conforto, não é? Mas, muitas pessoas alertam para o fato de que isso pode prejudicar suas articulações e causar artrite. Só que, mais uma vez, não há comprovação nenhuma nesse fato e na verdade, estudos demonstram que o barulhinho que ouvimos, não é nem um pouco sério e serve até para ajudar a lubrificar as articulações com o líquido sinovial natural. 

O frio e a responsabilidade pelas constipações e viroses. Coitado do inverno e daquela época mais friazinha do ano. Na verdade, não há relação direta nenhuma entre o aumento de doenças gripais e o vento gelado. O que acontece é que, por causa do frio, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados e se naquele local tiver a presença de um vírus, mais pessoas serão infectadas, resultando em um surto mais significativo de viroses nessa época do ano.

Um mito muito grande nas mulheres, corresponde ao período de gestação. Existe essa crença que as moças precisam engordar bastante e até mesmo da própria parte delas. Então, muitas resolvem "desencanar" da alimentação e passam a comer de tudo! Porém, estudos mostram que você só necessita comer 300 calorias a mais por estar gestante, do que comeria normalmente. Portanto, cuide de sua alimentação, ela pode lhe deixar mais saudável e ao seu bebê também.

Quem nunca brincou de se esconder para assustar um outro alguém? Ainda mais quando crianças, esse tipo de brincadeira é muito comum. Esse contexto também é perseguido por crendices. Alguns dizem que assustar alguém causa soluços e outros ainda dizem que ao contrário, o susto cura o soluço. Mas, também não existe relação direta entre os fatos. Na verdade, o soluço é ocasionado por um espasmo do diafragma, o músculo responsável pela respiração. Então, se através do susto você conseguir mudar a dinâmica de alguém, talvez exista a chance de melhorar o soluço.

Por último, deixamos uma das crenças mais divertidas de todas: a lei dos 5 segundos! Todo mundo conhece essa e utiliza do preceito da mesma no primeiro momento que sua comida cai no chão. Obviamente, não há qualquer justificativa para ter surgido essa crença. Na verdade, quando um alimento cai no chão, se existe a presença de bactérias, vírus, fungos ou afins, sua comida será contaminada mesmo se tiver passado apenas 1 segundo sobre o local. Mas, se for um local limpo, isso pode lhe livrar de alguma infecção.

Aqui, relatamos apenas alguns mitos populares. Porém, existem vários outros. Se informe, busque justificativas para as coisas, isso pode ser muito importante para sua vida. Pois, alguns desses ditos populares podem ser engraçados, mas tantos outros podem realmente ser prejudiciais.

Fonte: Olha que interessante, Hindustan times

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 5 mitos capilares que devem ser esquecidos

 

Recomendamos