Fazer jejum é melhor que comer de 3 em 3 horas: entenda por que e saiba como fazer essa dieta

Para quem quer começar uma dieta, parece que existem somente duas opções: se limitar a fazer comer três refeições por dia (café da manhã, almoço e jantar) ou comer de três em três horas. Só que essas escolhas nunca pareceram tão erradas quanto agora. Isso porque o vencedor do Prêmio Nobel de Medicina Yoshinori Ohsumi declarou que um novo estilo de dieta pode ser ainda mais benéfico, não só para a perda de peso como, também, para várias outras funções do corpo: o jejum.

Tuomas Lehtinen / Shutterstock.com

Isso mesmo! Segundo o médico, passar algumas horinhas com fome faz mais bem do que mal para você!

Tem mais: comer de três em três horas? Além de contribuir para o aumento de peso, o especialista ainda afirmou que essa prática só é recomendada por puro golpe das indústrias farmacêutica e alimentícia, que precisam vender alimentos e medicamentos para as pessoas.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: O que acontece com o corpo quando se para de comer

Mas antes de decidir sair por aí ‘passando um pouco de fome’, que tal conhecer um pouco mais sobre esse novo tipo de dieta que já é aprovada, inclusive, pela cozinheira Bela Gil?

Benefícios

Até onde se sabe, passar algumas horas de jejum traz inúmeros benefícios para qualquer pessoa. Alguns deles já são até comprovados cientificamente. Conheça os principais:

  • Deixa o cérebro mais esperto e ágil: quando sentimos fome, mas não nos alimentamos, nosso cérebro tende a ficar mais esperto e ágil, pois entra num estado de alerta constante. O mesmo que acontece com animais que passam longos dias sem comer, em busca de caça;
  • Reduz o risco de algumas doenças: doenças cardiovasculares e câncer são algumas das condições que se reduzem quando passamos algum tempo sem comer, segundo um estudo realizado pelo The American Journal of Clinical Nutrition;

  • Protege nosso sistema: além de proteger nosso sistema imune, o jejum também é capaz de regenerá-lo. Isso porque quando passamos algum tempo sem ingerir nada, nosso corpo poupa energia e “mata” algumas células velhas que não funcionam corretamente. Quando comemos, porém, estaremos criando células novinhas.

Como fazer a dieta?

Existem alguns métodos aprovado por especialistas para pessoas que optem pela dieta do jejum.

Um dos mais famosos é o “5 por 2”, no qual a pessoa fica sem comer durante algumas horas por dois dias, e come normalmente nos outros cinco.

George Rudy / Shutterstock.com

Em outros, a ideia é que pessoa escolha um período do dia para jejuar, de preferência durante a noite, ficando das 19h às 7h sem ingerir nenhum alimento, por exemplo.

Cuidados

Agora que já se sabe que o jejum é muito benéfico, tanto para nossa dieta quanto para nosso organismo, é preciso entender que existem alguns cuidados a se tomar antes de sair por aí deixando a barriga vazia por horas.

A primeira delas é que esse tipo de dieta só funciona se for acompanhada por um profissional. Pois o nutricionista vai equilibrar os alimentos ingeridos no dia a dia com o jejum, evitando que nosso corpo fique sem vitaminas e outros nutrientes adequados.

Comer três vezes ao dia

A prática de comer em pequenas quantidades três vezes ao dia tem objetivo fazer com que a quantidade de açúcar no sangue não caia drasticamente, causando tonturas, desmaios e sudorese. Além disso, alguns especialistas afirmam que ficar muito tempo sem comer, como é o caso do jejum, pode fazer com que a pessoa coma muito mais na próxima refeição.

No entanto, alguns especialistas garantem que não existe nenhum benefício no fato de fazer pequenas refeições várias vezes ao dia, pois isso pode contribuir para ganho de peso, caso a ingestão calórica diária exceda a quantidade necessária.

Ou seja, se você decidir continuar comendo de três em três horas ou se arriscar na dieta do jejum, o essencial é ter um nutricionista do seu lado e conhecer bem cada uma delas.

Fonte: Saber Viver Mais, Bem Estar, Stay Lively

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: A controvérsia sobre treinar em jejum ou não continua


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.

Recomendamos