Muito triste! Após bebê morrer asfixiado, mãe faz alerta e se emociona ao lembrar cuidados que todos devem ter com seus filhos

Muito triste! Após bebê morrer asfixiado, mãe faz alerta e se emociona ao lembrar cuidados que todos devem ter com seus filhos

Saúde e Estilo de Vida

October 4, 2018 00:39 By Fabiosa

Toda mãe ganha, hora ou outra, título de super cuidadosa. E isso acontece, na maioria das vezes, porque elas demonstram preocupação ao extremo até com as menores coisas, aquelas que parecem não ser nada demais para os outros.

E esse é o caso da americana Katie Elizabeth Chamberlain, que não deixava os filhos, até mesmo os mais velhos, brincarem sem supervisão com um objeto relativamente inofensivo - os balões.

Todo esse cuidado tinha um motivo. Desde que teve o primeiro filho, Katie se preocupava muito com as possíveis asfixias. Por isso, ela cortava a comida dos filhos em pedacinhos e supervisionava tudo que eles brincavam/ punham na boca, para evitar esse risco.

Mas, infelizmente, tudo isso não foi suficiente e, um dia, o bebê acabou se asfixiando com um balão que entrou em suas vias aéreas. Katie escreveu um relato em seu Facebook sobre o caso.

“A manhã de 31 de maio de 2018 começou não diferente de qualquer outro dia. Eu alimentei o bebê Justin, troquei suas roupas  e coloquei-o no chão da sala para brincar. Notei um balão no chão, que foi rapidamente jogado fora. Não percebi outro balão. Meu filho de 9 meses, enquanto brincava, encontrou o balão e, como todos os bebês, colocou o novo objeto em sua boca. Eu não o vi fazer isso, mas olhei para ele e vi que ele estava engasgando, então fui até ele, com pressa, na esperança de recuperar o que quer que fosse, mas era tarde demais”.

Só que, apesar da dor de perder um filho, o relato de Katie teve um objetivo diferente - alertar outros pais sobre o perigo oferecido por balões infláveis, especialmente para bebês e lembrar que todos devem saber manobras de primeiro socorros para casos como este, nos quais, segundo ela “cada segundo importa”.

O que pode causar asfixia?

O que muitos pais não sabem é que a asfixia é algo bastante comum e que pode acontecer com bebês das formas que menos imaginamos.

undefinedIvanov Sviat / Shutterstock.com

Para provar isso, separamos duas causas de morte por asfixia que já ocorreram:

  • Dividir a cama com o pai: um pai chegou com seu bebê na casa de amigos e começou a ninar a criança, que rapidamente adormeceu. Pouco depois, ele mesmo acabou dormindo e quando acordou, o filho estava preso às grades de proteção da cama. De acordo com a equipe médica que fez o atendimento, o bebê teve o pescoço comprimido pelas grades, o que acabou levando-o à asfixia;
  • Durante a amamentação: enquanto é amamentado, é comum que a criança acabe ficando cheia, daí a importância de fazê-la arrotar. Mas uma mãe um pouco descuidada acabou pegando no sono durante o ato e o bebê morreu asfixiado.

Pois, é. Não restam dúvidas de que o bebê precisa ser vigiado o tempo todo, não é?

Mas, agora, vamos ao que interessa! Como evitar esse tipo de coisa?

Como prevenir

Felizmente, existem algumas dicas bem práticas sobre como prevenir o risco de asfixia, principalmente em bebês.

O primeiro passo a ser tomado é estar atento aos movimentos da criança. Para isso, o ideal é que, pelo menos até completar seis meses, ela durma do seu lado (não na mesma cama) e de costas.

Além disso, é preciso evitar superfícies feitas com alguns materiais. São elas:

- Cama d'água;

- Almofadas de pelego ou protetores de colchão;

- Almofadas suaves, cheias de penas, etc.;

- Qualquer superfície frágil e esponjosa, incluindo-se colchões ou edredon;

- Colchões cobertos por saco plástico.

Já com crianças maiores, o mais indicado é não deixá-las perto de sacos plástico e de lixo.

Mas, como Katie bem ressaltou, o ideal é que todo pai conheça o básico sobre as manobras de Heimlich. Caso não conheça, assista esse vídeo:

Lembre-se, quando se trata de criança pequena, todo cuidado é pouco! Esteja sempre atenta.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Bebê é salvo por um milagre felino!