Nada de segurar o número 2! Ficar prendendo o cocô pode tr

SAÚDE E ESTILO DE VIDA

Nada de segurar o número 2! Ficar prendendo o cocô pode trazer diversos males para a saúde

Date July 18, 2018 13:18

É muito comum que algumas pessoas não consigam ou não se sintam à vontade de fazer o número 2 fora de casa.

Viajar, trabalhar fora, estar na casa de amigos ou na rua são motivos para que a pessoa prenda o que o corpo está pedindo para expelir.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Mito ou verdade: a vagina vai mudando de tamanho e largura de acordo com a quantidade de relações sexuais?

Chega uma hora em que o alimento já teve todos os nutrientes absorvidos e precisam ser eliminados, caso contrário essa massa fecal pode virar toxina presente no corpo.

De acordo com os médicos, existe um tempo limite para que o corpo mande embora o que sobrou da alimentação que é de no máximo 53 horas.

Por isso, quando o organismo indica que é o momento de defecar, esse desejo pode ser quase incontrolável e fazer o movimento contrário pode ser muito mais prejudicial do que se imagina para a saúde.

A força contrária faz com que as fezes voltem para o cólon e fiquem lá até que o corpo emita um novo sinal.

Quando as fezes voltam, o cólon tende a absorver a água que está nas fezes, fazendo com que ela fique mais rígida e ressecada e isso dificulta o processo de defecar posteriormente.

Esse processo pode causar constipação, pequenas lesões ou fissuras na região anal, podendo gerar sangramento e até infecções.

Quando o “número dois” fica preso por um período longo ou quando esse hábito de segurar o cocô acontece com muita frequência, ao longo do tempo, há riscos de hemorroidas, de reflexos no próprio intestino como diverticulite, distensão do intestino e hérnia na parede abdominal.

Além disso, o movimento forçado e excessivo dos músculos do reto pode gerar incontinência por perda de força com o passar do tempo.

O médico coloproctologista Alexandre Fonoff revelou em entrevistas recentes que segurar o cocô pode fazer mal inclusive ao cérebro.

Entre os riscos estão a Lipotimia, que é a redução temporária do fluxo de sangue ao cérebro, gerada pelo esforço para evacuar.

Além disso, o esforço pode aumentar a pressão intracraniana e se existir um aneurisma cerebral, as chances de rompimento aumentam.

Depois de saber disso, dificilmente você voltará a segurar a vontade de fazer um número 2, certo?

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Cólicas em recém-nascidos: Descubra o que é verdade e o que é mito na hora de acalmar o bebê!


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.