Nem tudo está perdido! Como realmente fica a libido da mulher após os 40 anos e o que fazer para melhorar o desejo

Saúde e Estilo de Vida

May 16, 2018 13:55 By Fabiosa

O corpo da mulher passa por transformações constantes. Depois da infância, vem a puberdade com um turbilhão de hormônios, depois a vida adulta e então a mulher chega aos 40 anos quando alguns hormônios começam a diminuir.

kurhan / Shutterstock.com

A vida da mulher é constantemente influenciada por seus hormônios e seja no excesso ou na falta, isso pode trazer reflexos em seu humor, seu comportamento e até na sua libido.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: A milenar técnica de vaporização do útero e os benefícios para a saúde física e emocional

Existem muitos mitos sobre a mulher após os 40. Entre eles está o de que a vida sexual da mulher deixará de existir após essa idade. De fato, pode acontecer a redução da libido, mas hoje em dia, com o avanço da ciência, é possível que a mulher possa ter uma vida sexualmente ativa após essa idade.

Não se deve colocar a culpa toda na menopausa. Antes de tudo, é importante avaliar como está a vida familiar, pessoal, social e principalmente, o estado emocional dessa mulher.

Uma vez que todas estas áreas estejam equilibradas e os outros fatores foram eliminados, podem ser encontrados recursos para ter uma vida altamente ativa sexualmente após os 40 anos.

kurhan / Shutterstock.com

De acordo com o médico ginecologista e obstetra, Dr. Élvio Floresti Junior, o principal é deixar as crendices de lado e buscar informações com profissionais especializados no assunto.

Além da reposição hormonal que pode ser realizada de diferentes formas, como spray, pílula, gel vaginal e adesivos, é importante não deixar de lado um estilo de vida saudável, alimentação equilibrada e atividade física. Além disso, a criatividade e a imaginação são aliados perfeitos para o casal.

Liderina / Shutterstock.com

A redescoberta do sexo pelo casal, uma atenção maior às preliminares, novas fantasias sexuais e maior liberdade durante o sexo são fatores que compensam a falta natural dos hormônios sexuais femininos”, completa

Fonte: Alessandra Faria, Mayo Clinic

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Qualidade de vida feminina: é possível uma mulher viver bem até mesmo durante a menopausa?


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.