Mastigação ou respiração te incomodam? Conheça a misofonia, o transtorno que deixa a pessoa completamente irritada com certos ruídos

Saúde e Estilo de Vida

July 26, 2018 14:30 By Fabiosa

Você já ouviu falar da misofonia? A condição ainda tem alguns mistérios não desvendados pela ciência, mas afeta pessoas do mundo todo. Elas não conseguem suportar ruídos que outras pessoas nem mesmo percebem.

Para uma pessoa que sofre de misofonia, ficar ao lado de alguém que está mastigando pode parecer uma tortura. Mas existem vários outros ruídos que incomodam profundamente a pessoa com o transtorno.

HBRH / Shutterstock.com

Os principais sintomas podem ser claramente percebidos pela própria pessoa.

1. Agitação

A pessoa que sofre do transtorno pode ficar muito agitada ao se deparar com algumas situações de ruídos insuportáveis.

2. Fuga

Quando a situação é extremamente incômoda, a pessoa pode até fugir do lugar para não ter que suportar o terrível som.

3. Evitar lugares

A pessoa pode chegar ao ponto de rejeitar convites para lugares onde sabe que enfrentará os ruídos insuportáveis.

4. Ansiedade

A ansiedade é o principal efeito causado pelos ruídos. O problema pode gerar transtornos psicológicos graves depois de muito tempo sem solução.

Pessoas com misofonia não suportam o som do “clique” de uma caneta, de alguém mastigando a comida ou mascando chiclete, assoando o nariz, usando um teclado ou batendo as unhas em uma mesa de madeira. A lista de sons insuportáveis também pode conter a respiração e pigarros na garganta. Tudo fica ainda pior se o responsável pelo barulho tiver algum grau de intimidade com o outro. Sentar para comer com os pais ou namorado pode se tornar uma tarefa impossível.

Andrius Repsys / Shutterstock.com

Olana Tansley-Hancock convive há mais de 20 anos com a misofonia e relata seu sofrimento. “Eu me sinto ameaçada e que preciso me debater ou fugir - a resposta é sempre essa, lutar ou fugir”, diz a mulher de 29 anos. Ela conta que não consegue permanecer ao lado de ninguém que esteja comendo salgadinhos. “O barulho do pacote abrindo já é o suficiente para eu começar a me mexer”, ela explica.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Cuidado com as doenças de outono; como fazer elas passarem longe de você

Alguns estudos foram realizados para procurar entender melhor o transtorno, mas ainda não existe cura para ele. Segundo um estudo feito no Reino Unido, o córtex insular anterior é a parte mais ativa nas pessoas que sofrem de misofonia.

Zanna Art / Shutterstock.com

A parte ativada do cérebro é responsável por unir emoções e sensações, por isso algumas pessoas se descontrolam diante dos sons irritantes. Os cientistas também identificaram que o principal sentimento dos voluntários durante os testes era a raiva.

Como os resultados da maioria dos estudos não são conclusivos, não é possível tratar o problema diretamente. Algumas pessoas buscam ajuda psicológica, outras simplesmente evitam locais onde sabem que encontrarão dificuldades. Olana é adepta dos tampões de ouvido.

O diagnostico é difícil e depende da análise do médico e uma série de exames neurológicos. Enquanto a cura ou tratamento para o problema não surgem, as pessoas com misofonia seguem com sua constante batalha de ansiedade, incômodo e isolamento.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Saiba quais são as doenças de pele que mais afetam o bem-estar das pessoas


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado.