Fique atenta! Dor pélvica pode ser sinal de alerta para outras doenças

Saúde e Estilo de Vida

August 6, 2018 18:21 By Fabiosa

Quem nunca sentiu aquele incomodozinho na região mais baixa do abdômen, que atire a primeira pedra. Seja um desconforto ou até mesmo algo parecido com uma cólica, as dores pélvicas são bem comuns, principalmente nas mulheres. Mas o que nem todo mundo sabe é que elas podem ser um sinal de alerta dado pelo seu corpo.

NotarYES / Shutterstock.com

Muito além da simples dor local, ela pode significar outras coisas, dependendo do momento. Por exemplo, se você está grávida, ela pode até mesmo significar um aborto espontâneo. Por isso, fique de olho nessas dicas para entender melhor o que essa dor realmente quer dizer.

pathdoc / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: De infecção à endometriose… 8 razões pelas quais você pode ter cãibras lá embaixo

Pelve: o que é?

Primeiramente, vamos esclarecer onde se encontra essa região do corpo. A pelve está localizada logo abaixo do abdômen e a região inclui órgãos como intestino, bexiga, útero e ovários. A dor pélvica costuma se iniciar em algum desses órgãos ou nos ossos, músculos, nervos, vasos e articulações que se localizam próximas a eles.

 

↪ A #pelve une a #coluna às #pernas (membros inferiores) e tanto protege a região #abdominal inferior quanto abriga parte dos órgãos #reprodutivos, do sistema #urinário e #intestinal. 👇🏻 ↪ A pelve #masculina e #feminina tem o mesmo desenvolvimento; mas existe diferenças entre ambas (passe a imagem para a próxima). Grande parte das adaptações da pelve na #mulher ocorreram pelas necessidades da #gravidez e do #parto. 👇🏻 ↪ A pelve é formada pelos ossos do quadril: (ílio 1, púbis 2 e ísquio 3), junto com o osso sacro A e cóccix B. 👇🏻 ↪ A dor óssea pélvica pode afetar homens e mulheres de todas as idades. Algumas causas: 👇🏻 ▪ Fratura pélvica. ▪ Osteíte púbica (pubalgia) - inflamação do púbis. ▪ Entorse da articulação sacroilíaca - inflamação nas articulações entre o sacro e o ílio. ▪ Dor na cintura pélvica em razão da má postura. ▪ Artrite. ▪ Câncer. ▪ Gravidez. 👇🏻 Se você sentir dor óssea pélvica e ela persistir e interferir em suas atividades diárias, você deverá consultar um médico. 👇🏻 😷 #Paganini #OncologiaOrtopédica #Ortopedia #Ortopedista #QualidadeDeVida

Uma publicação compartilhada por Luísa Paganini (@drapaganini) em

Dor pélvica crônica x aguda

As dores pélvicas podem ser classificadas de acordo com a sua duração. A dor pélvica aguda é aquela de curto prazo e início rápido. Costuma ser a primeira vez que você experimenta esse tipo de dor. Já a crônica é a dor de longo prazo, recorrente, durando, no mínimo, seis meses. Esta última pode estar relacionada com o estresse e até com relações abusivas.

Principais causas

As causas podem ser inúmeras e, inclusive, múltiplas. Nas mulheres, a dor pode estar relacionada com problemas no útero, trompas, ovários, trato urinário, cólon retosigmóide, petirônio, vagina e outros órgãos da pelve.  

 

A dor pélvica afeta a região abaixo do abdômen, pode ser aguda ou crônica, constante ou esporádica, persistindo por mais de 6 meses. Pode estar relacionada ao período menstrual ou condições patológicas como infecções, endometriose (está presente em 33% dos casos! 😨), aderências, varizes pélvicas, alterações intestinais e outras. . Como as causas de dor pélvica são variadas, é importante procurar ajuda médica especializada  para um diagnóstico adequado, além disso existe um tratamento específico para cada quadro e paciente, sendo a fisioterapia de grande importância.👩‍⚕️ . Converse com seu ginecologista para saber mais! Cuide-se! ❤️👩‍⚕️ . #dorpelvica #vaginismo #endometriose #fisioterapianasaudedamulher #fisioterapia #fisioterapiapelvica #fisioterapiaobstetrica #ginecologia

Uma publicação compartilhada por Jéssica Gomes (@fisiio.pelvica) em

Dor pélvica na gravidez

Caso você esteja grávida, a dor na região pode ser o indicativo de que algo está errado. Se estiver acompanhado de sangramento, pode significar um aborto espontâneo. Nos casos de dores pélvicas localizadas em apenas um dos lados, pode também ser um sinal de uma gravidez ectópica, quando o feto se desenvolve fora do útero. Esse problema também pode ser sinal de parto prematuro ou descolamento da placenta. Observe se vem acompanhado de líquido, indicando que a bolsa estourou antes da hora, e procure imediatamente um médico.

 

A dor pélvica relacionada à gravidez é uma dor na região de quadril, é causada por vários fatores relacionados a mudanças que ocorrem no período gestacional, como por exemplo, mudança no centro de gravidade, a ação do hormônio relaxina que age para que a região pélvica acomode o bebê e permita a passagem dele durante o parto, fraqueza da musculatura pélvica e o ganho de peso na gestação. Mas você não precisa sentir dores durante a gestação, a fisioterapia obstétrica tem o tratamento adequado para você, onde é realizada toda a avaliação e prescrito exercícios específicos, correção de postura, alongamentos e orientações. Agende sua consulta 86 9 99697117 #dornagestacao #gestacao #dorpelvica #fisioterapia #fisioobstetrica #fisiopelvica #fisionasaudedamulher #gestacaosemdor

Uma publicação compartilhada por Fisioterapia Obstétrica 🤰🏼 (@fisiotatilamikelle) em

Dor pélvica ginecológica

A dor na pelve também pode estar relacionada à ovulação, que é a produção de óvulos. Nesse caso, a dor é conhecida como Mittelschmerz, termo em alemão que significa dor do meio, indicando que ocorre no meio do ciclo. Ela pode variar de lado, dependendo do ovário que libera. Além disso, também é comum a cólica durante a menstruação.

Outro problema que pode originar uma dor pélvica são inflamações no útero, conhecidas domo doença inflamatória pélvica (DIP). São ocasionadas por bactérias que se instalama no útero, e podem ter como origem a clamídia ou gonorreia. Geralmente vem acompanhada de outros sintomas, como febre, sangramento e corrimento. Outras causas da dor podem estar relacionadas a rupturas ou torções de cistos no ovário ou estar relacionado com uma mudança degenerativa em um mioma, que são tumores não cancerosos no útero.

Endometriose

Uma das causas mais comum é a endometriose. Normalmente, ela afeta mulheres na casa dos 30 e costuma estar acompanhada com problemas para engravidar. As dores pélvicas costumam ocorrer durante a menstruação e também na relação sexual.

 

Vamos de #curiosidadesamadá ? ⚠️Muuuito comum, atendo inúmeras mulheres. Eu mesma fui diagnosticada e sofro com o problema.😐🤒 É exatamente assim...os benditos focos de endométrio ao invés de serem expelidos quando menstruamos, eles simplesmente voltam, fazendo um fluxo contrário 🙄 e se alojam em outras regiões... Pode ser na bexiga, pode ser ovário, intestino ou em outros lugares do abdômen... Isso é ENDOMETRIOSE 😔😔 E o problema é que esses “focos” estando no lugar onde não deviam podem provocar cólicas absurdas, sangramento instável (geralmente muuuito), dor na área genital e no baixo ventre, dor durante a relação (MUITA QUEIXA) até levarem dependendo do grau, a infertilidade. 👶🏻🤚🏻 Ou também uma parcela pode ficar anos sem sintomas, eu me encaixo nesses casos, mas a longo prazo pode ser catastrófico igual!! E é um problema 😤, pois cada vez que você menstrua essa camada do endométrio que é eliminada quando não tem fecundação, volta! E vai se alojando em outros lugares... Ou seja, cada vez que menstruamos, pioramos as coisas. 😓Alguém tem endometriose também?? Tem sintomas?? Conta para gente! 😌 #endometriose #endometrioseprofunda #dor #dorpelvica #dorpelvicacronica #dispareunia #vaginismo #fisioterapiaurologica #fisioterapiapelvica

Uma publicação compartilhada por Dra. Madalena Carcará Reinaldo (@madacarcara) em

Diagnóstico e tratamento

Como as causas são muitas, é preciso analisar o histórico da paciente e solicitar alguns exames de acordo com cada caso. Normalmente, exames pélvicos abrangentes, como ultrassom transvaginal e abdominal, são utilizados para auxiliar no diagnóstico. Ressonância magnética e exames mais invasivos, como histeroscopia e laparoscopia, podem ser solicitados. Quando a causa da dor está relacionada à região gastrointestinal ou trato urinário, exames de fezes e urinas também ajudam no diagnóstico.

Os tratamentos podem ser variados, desde cirurgias até terapias e fisioterapias para relaxar e reeducar os músculos da região. Mudanças na dieta podem ser utilizadas para dores gastrointestinais. Além disso, tratamentos das infecções e inflamações também são outras abordagens. Tudo irá depender da análise médica de cada caso.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Adenomiose: um distúrbio ginecológico que pode ser realmente doloroso


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.