Atenção, mulheres! Caroço no seio sempre significa câncer de mama?

Depois que passam dos 40 anos, muitas mulheres começam a se preocupar com um perigo que se torna cada vez mais iminente - o risco de desenvolver um câncer de mama.

undefinedsolar22 / Shutterstock.com

Claro que as mais jovens também podem acabar sendo diagnosticadas com a condição, porém, o risco é um pouco menor nesses casos, cerca de 7%. Ainda assim, é ideal que, ao completar 20 anos, as meninas comecem a se autoexaminar periodicamente em busca de sinais que possam indicar que algo está errado.

Os próprios ginecologistas ensinam a forma correta de fazer essa checagem, que busca, essencialmente, por ‘caroços’ que indicam a existência de tumores benignos ou malignos na mama.

Todo caroço é um câncer?

undefinedPhotoMediaGroup / Shutterstock.com

Se você por acaso estiver fazendo esse autoexame e se deparar com um caroço, especialistas alertam que não precisa de desesperar, pois ele não significa, necessariamente, que você está com câncer de mama.

De fato, um caroço no seio pode indicar uma série de outras coisas, baseado, também, na condição em que ele apareceu. Alguns dos mais comuns são:

  • Fibroadenoma - um tipo de massa benigna que ocorre mais frequentemente em mulheres jovens. Geralmente, ele se move quando tocado;
  • Cistos mamários - como em outras partes do corpo, cistos mamários são nódulos benignos cheios de líquido. Eles costumam aparecer em mulheres próximas à menopausa;
  • Outras massas fibrocísticas benignas - uma combinação benigna de uma massa fibrosa, como a de um fibroadenoma e um cisto;
  • Câncer de mama - embora não seja verdadeiro em todos os casos, os nódulos cancerosos são geralmente indolores e mais firmes que cistos e fibroadenomas.

Ou seja, existe aí uma série de possibilidades para o surgimento repentino de um caroço na região dos seios. Além disso, tem uma forma bem rápida de identificar se é ou não câncer de mama:

Seu nódulo dói quando tocado ou mesmo sem tocar? Então, provavelmente não é câncer.

  • Alterações normais do tecido mamário hormonal (como quando ocorre a menstruação);
  • Infecção da mama (conhecida também como mastite);
  • Nódulos gordurosos formados como resultado de trauma;
  • Alguns medicamentos podem causar nódulos mamários;
  • Certas condições: seios fibrocísticos; cistos benignos; fibroadenomas; papilomas intraductais - a maioria destes são tipos de caroços duros ou emborrachados nos dutos de leite e tecido mamário circundante, fortemente relacionados ao ciclo menstrual e aos níveis hormonais.

undefinedM-SUR / Shutterstock.com

Outras causas comuns para a dor nas mamas são uso de pílulas anticoncepcionais, tratamentos de fertilidade e até coisas mais comuns, como usar sutiãs menores e ter seios muito grandes.

Quando é hora de procurar um médico?

undefinedInspiring / Shutterstock.com

Agora, você provavelmente está se perguntando quando é hora de procurar ajuda médica. A resposta é bem simples!

Um médico deve ser consultado quando o nódulo não é dolorido e vem acompanhado de outros sintomas já conhecidos do câncer de mama.

Por exemplo, inchaços, calor e vermelhidão na região do seio. Coceira ou erupção cutânea no mamilo, dor que não desaparece rapidamente e mudança no tamanho ou formato da mama.

undefined

Vale ressaltar, ainda, que uma erupção cutânea no mamilo também pode ter outras causas conhecidas. No entanto, você pode suspeitar de algo mais grave, como um câncer, se ela ocorre sem que você precise apertar o mamilo, é incidente em apenas uma das mamas e tem aparência sangrenta e clara (não leitosa, como no caso de pus).

undefinedGagliardiImages / Shutterstock.com

É importante lembrar que um caroço no seio jamais deve ser ignorado. Portanto, se tiver qualquer outra suspeita, o ideal é buscar ajuda médica. Além do mais, depois dos 20 anos, é legal fazer exames regulares que ajudam a prevenir a condição.

Fonte: Healthline, Maurer Foundation, Komen

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Conscientização sobre o câncer: uma necessidade atual


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.

Recomendamos