Por 10 anos ela evitou a academia e lutou contra a bulimia.

SAÚDE E ESTILO DE VIDA

Por 10 anos ela evitou a academia e lutou contra a bulimia. Hoje, ela se livrou dos estereótipos de corpo perfeito e encoraja milhares de pessoas a fazerem o mesmo

Date May 14, 2018 14:44

"Não ter vergonha do próprio corpo na academia é um ato de liberdade". Esse foi o título usado pela blogueira Joana Cannabrava para falar sobre o fato de muitos se sentirem inadequados a esse ambiente, por não terem ou não conseguirem ter um corpo idealizado.

Ela aborda essa questão após compartilhar sua própria experiência. Joana passou mais de 10 anos vendo a academia como um gatilho para a bulimia. Antes de tratar esse e outros transtornos alimentares, ela usava os exercícios como meio de compensar seus hábitos alimentares compulsivos. Com a evolução do tratamento, Joana decidiu dar um novo significado à prática de atividade física.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Conselhos para sobreviver aos primeiros dias na academia e não perder a motivação muito rápido

Hoje, a blogueira levanta a bandeira de desconstruir os motivos comumente associados ao treino, como a busca pelo corpo perfeito, e ir contra esse comportamento social estimulado na academia, tão vinculado ao ego e à necessidade de aprovação, o que faz com que tanta gente se mantenha longe desse tipo de ambiente por medo de serem julgadas. 

De acordo com ela, a pressão por atender um padrão estético idealizado e o clima de comparação entre as pessoas que frequentam esse local só nos distanciam do verdadeiro valor dos exercícios: os benefícios que elem proporcionam à nossa saúde mental e física a longo prazo. Dentre eles, estão a longevidade, o aumento da disposição, a melhora da capacidade cardiorrespiratória e da qualidade do sono, o alívio do estresse e o relaxamento da mente.

Joana defende a importância de treinarmos de forma consciente, sem pensar em estereótipos de um corpo gordo ou magro, pois isso nos leva a sentir na prática os ganhos realmente importantes disso tudo.

Cada dia que vou e não visto a camisa da inadequação, que não coloco o look da oprimida e não opto por sentir vergonha do meu corpo me sinto um pouco mais livre.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Código de etiqueta da malhação: veja os 10 erros de comportamento mais comuns nas academias