Psicólogos contam como a televisão atua sobre as crianças

INSPIRAÇÃO

Psicólogos contam como a televisão atua sobre as crianças

Date 23 de dezembro de 2017

Não há como negar que a televisão entrou definitivamente em nossas vidas. E algumas das mais “insaciáveis” consumidoras desse produto são as crianças, e isso diz respeito até aos pequeninos!

A discussão sobre os pontos positivos e os negativos da televisão ainda é fonte de controvérsias. Alguns especialistas consideram a televisão extremamente prejudicial para o desenvolvimento das crianças. Outros estão convencidos de que assistir programas promove o desenvolvimento das crianças, entretendo-as enquanto os pais estão ocupados com seus afazeres. Mas quais deles teriam mais razão?

Na idade até 8 a 9 anos, é melhor obter informações a partir dos livros infantis e dos programas interativos.

A maior parte dos psicólogos considera que a televisão tem o poder de ensinar e divertir as crianças, mas os pais devem, obrigatoriamente, controlar e dosar o tempo de exposição a que seus filhos são submetidos.

Influência da TV na saúde e psique da criança

Publicação de Donna Stevens (@donnastevens) Июн 5 2015 в 9:48 PDT

Dizer que a TV é completamente inofensiva para as crianças é um enorme equívoco. Em primeiro lugar, assistir televisão por tempo demais provoca dependência psicológica. Em segundo lugar, a televisão tem capacidade de desenvolver a infantilidade e a incapacidade de resolver problemas de forma independente, porque a percepção de mundo das crianças fica muito longe da realidade.

Os psicólogos alemães descobriram que as crianças que quase não assistem televisão pensam de forma mais racional e que a percepção de mundo delas é mais real. Seus desenhos de pessoas são mais "vivos": elas têm detalhes mais elaborados de roupas, rostos e penteados, enquanto as crianças viciadas em televisão desenham pessoas que se parecem mais com insetos. Os membros são representados com "pauzinhos" e os olhos com pontos.

Quando uma criança fica muito tempo exposta à televisão, ela tem um risco aumentado de desenvolver autismo, transtorno de déficit de atenção, obesidade e diabetes.

Especialistas repararam que a dependência da televisão leva à puberdade precoce entre as meninas.

O acompanhamento frequente de uma tela estimula o desenvolvimento da impulsividade e da falta de organização e mata qualquer motivação. A criança dependente da televisão não consegue compreender fatos e imagens, o que dificulta qualquer elaboração de uma lógica. Seguem 5 motivos para que as crianças assistam televisão o mínimo possível.

1. Desenvolvimento do cérebro

A televisão tem uma forte influência sobre o desenvolvimento psicossocial e mental das crianças. De acordo com estudos, 10% das crianças menores de 7 anos, que constantemente assistem TV, sofrem de problemas comportamentais e hiperatividade.

O estímulo rítmico, com uma luz retilínea, pode causar epilepsia fotossensível. Mesmo que de forma inconsciente, assistir televisão pode causar insônia, dores de cabeça, teimosia, caprichos, gagueira, cólicas e até mesmo ataques histéricos.

Em outro estudo, foi analisado o desempenho escolar das crianças viciadas em televisão; constatou-se que elas costumam ir mal na escola e têm dificuldades com a erudição, isso se comparadas à crianças que assistem programas por no máximo duas horas por dia.

O principal problema de ver TV com frequência, no que diz respeito à educação, é uma representação significativamente diferente do sistema de prioridades. Simplificando, se uma criança gosta de aprender e conhecer o mundo através do recurso da audição, os programas de televisão reorientam o cérebro para a percepção predominantemente visual. 

Outra consequência negativa da excessiva exposição à TV é a falta de habilidades linguísticas. À medida que a leitura é empurrada para o segundo plano, é difícil para uma criança formar um vocabulário adequado. Uma vez que a televisão geralmente é uma comunicação unidirecional, tais crianças não sabem como se comunicar com os colegas.

2. Sobrepeso

Já está comprovado que a obesidade está intimamente relacionada ao tempo que uma pessoa passa sentada vendo televisão. Durante longas horas, as crianças ficam olhando para essa "caixa de zumbis" em vez de brincar e correr na rua. Além disso, elas costumam comer uma grande quantidade de alimentos prejudiciais à saúde enquanto assistem TV e, pior, altamente calóricos, porque os comerciais despejam uma série de produtos com alto teor de açúcar, carboidratos e gorduras.

De acordo com estudos, ao ver televisão e jogar videogames, as crianças muitas vezes desenvolvem a obesidade entre os 9 aos 16 anos.

A pessoa viciada em televisão vê seu cansaço aumentar e sofre com a falta de motivação.

3. Violência, agressão e medos

De acordo com um estudo de George Gerbner, mesmo em programas de televisão para crianças, a cada hora são mostrados cerca de 20 atos violentos. Cientistas americanos calcularam que uma criança americana observa, em média, cerca de 200 mil atos de violência antes mesmo de completar 18 anos de idade.

A agressão nas telas atua de formas diferentes entre meninos e meninas. Entre os meninos, depois de ver cenas com agressão explícita ou latente, há um aumento significativo na agressão contra os próximos ou os pais. Já entre as meninas, não foram registrados casos de agressão por tal motivação.

A televisão introduz na vida da criança a agressão e, depois de um tempo, ela se acostuma com essa outra realidade. Ao longo do tempo, ver cenas com elementos de violência reduz a sensibilidade das crianças: elas passam não apenas a acreditar que isso é aceitável, mas também aprendem a aplicar o conhecimento adquirido na prática.

Pesquisadores americanos provaram que os desenhos animados com frequentes oscilações de cores nas imagens contribuem para o desenvolvimento de problemas comportamentais e déficit de atenção em crianças de até 4 anos.

As crianças viciadas em televisão acreditam que a violência apresentada nas telas reflete o mundo real. Por esse motivo, elas passam a considerar a agressão como uma forma de resolução conflitos na sua vida cotidiana.

De acordo com inúmeras pesquisas, as pessoas que, na infância, assistiram a constantes cenas de violência pela televisão, no futuro passam a demostrar um elevado grau de agressividade e tendência de não observar a lei.

Além da agressão, muitas cenas mostradas na TV podem se tornar motivos para pesadelos noturnos e diversos outros medos.

4. Comportamento viciante e desviante

Os programas de TV e comerciais contribuem para o comportamento de risco associado ao consumo de álcool, tabagismo, drogas, roubo, infidelidade etc. Devido a alguns programas de TV, as crianças passam a ter uma percepção de todas essas coisas negativas como algo normal e até mesmo engraçado.

Por sinal, a televisão é um poderoso elemento que pode desenvolver vários vícios, não apenas nas crianças, mas também nos adultos.

Os psicólogos americanos chegaram à conclusão de que o comportamento desviante é mais frequentemente observado em adolescentes, que passam a maior parte do tempo assistindo canais de música e de lutas.

5. Manipulação da consciência

Outro fator negativo, e que os pais devem controlar quando os filhos veem TV, são as mentiras que são transmitidas nos programas. Imagine o que seus filhos podem estar assistindo e em que ou quem eles podem acreditar!

Os psicólogos russos manifestaram a ideia de que a linha de programas para crianças apresentados pela TV, se não for devidamente orientado pelos pais, pode levar a uma absoluta falta de vontade de perpetuar a espécie.

As crianças pequenas não são capazes de argumentar de forma independente, então a visão delas de mundo se torna subjetiva e longe da verdade. Assim como uma esponja, elas absorvem os preconceitos raciais e de gênero mostrados em programas de TV e internalizam os estereótipos

Quando e por quanto tempo?

O desenvolvimento máximo do cérebro ocorre nos dois primeiros anos de vida. É justamente durante esse período que a criança molda suas habilidades de linguagem, habilidades motoras, bem como ideias visuais, espaciais e cinestésicas sobre o mundo. Os pediatras americanos recomendam que os pais eliminem ou minimizem o tempo de TV para crianças menores de 2 anos. Neste momento, a mídia digital apenas dificulta o desenvolvimento mental.

Os psicólogos acreditam que mesmo sendo vista de forma inconsciente, a TV atua negativamente no desenvolvimento da criança até os dois anos.

Os programas de TV devem ser igualmente limitados para crianças até os 8 anos. Os pediatras canadenses aconselham um tempo máximo de duas horas na frente da televisão por dia.

Com a idade de 10 a 12 anos, o cérebro se desenvolve ativamente (este processo é chamado de mielinização). Sendo assim, durante esse período, é extremamente importante estimular e ativar as habilidades físicas, psicossociais e emocionais.

A televisão também é responsável pela piora na comunicação entre pais e filhos, mesmo quando faz apenas o papel de pano de fundo para a comunicação. Os cientistas descobriram que a duração e a qualidade das interações entre pessoas próximas diminuem quando a TV está ligada.

Conselhos para os pais

De acordo com os psicólogos, adolescentes com mais de 16 anos podem assistir a programas de TV sem restrições. No entanto, há estudos em andamento que relacionam o comportamento problemático dos adolescentes com a quantidade de tempo durante a qual eles assistem TV.

É claro que eliminar a influência da televisão sobre as pessoas no mundo moderno é praticamente impossível, mas cabe aos pais evitar a dependência e reduzir os riscos dessa influência. Isto é o que pode ser feito de verdade:

1. As crianças maiores de 2 anos podem assistir a programas especialmente dedicados ao desenvolvimento das habilidades da sua faixa etária e conteúdos sobre a natureza, meio ambiente, história etc.

2. Evite programas que transmitam conteúdos violentos.

3. Concentre a atenção das crianças em documentários sobre a natureza, descobertas cientificas, exposições e em programas sobre história e arte.

4. Os desenhos animados são bons apenas quando trazem algo para a vida da criança.

5. Todos os programas infantis devem ser cuidadosamente verificados pelos pais para combinar os modelos positivos, a presença de modelos masculinos e femininos fortes e a diversidade em contexto e personagens.

Se usada corretamente, a televisão pode se tornar uma verdadeira “janela para o mundo”, mas ela nunca poderá desempenhar o papel de “babá” ou ser a principal forma de entretenimento e passatempo do seu filho! Tente fazer com que seu filho se comunique com outras crianças e se entretenha com atividades como leitura e desenho.

É pouco provável que você consiga tirar por completo a televisão da sua casa. Porém, pequenas mudanças já são mais do que suficientes para reduzir a influência nociva da TV sobre seu filho ou filha.


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado.