Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saib

DICAS

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamento

Date October 9, 2018 01:20

Poucas mulheres prestam a devida atenção ao treinamento dos músculos do assoalho pélvico, que têm uma função importante: manter o útero e outros órgãos pélvicos na posição correta, evitando o prolapso.

Os ginecologistas alertam sobre as consequências do prolapso uterino, bem como sobre quem está em risco. 

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamentoEmily frost / Shutterstock.com

O que é prolapso uterino 

De fato, cerca de um terço de todas as mulheres são afetadas pelo prolapso do útero. 

Prolapso do útero é um deslocamento do fundo e do colo do útero abaixo do limite anatômico. Isso acontece devido ao enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico e dos ligamentos do útero. Como regra, o prolapso uterino pode ocorrer após o parto ou durante a menopausa. 

No estado normal, os músculos do assoalho pélvico formam uma espécie de rede que mantém os órgãos da região (a bexiga, o útero, a vagina, o intestino delgado e o reto) no lugar. 

Mas às vezes esses músculos e tecidos adjacentes enfraquecem. Algumas mulheres sofrem de prolapso uterino após o parto. E com a idade, o prolapso deste órgão torna-se mais comum. 

Depois de perceber uma condição semelhante em si, muitas mulheres têm vergonha de consultar um médico, considerando-o algo vergonhoso e anormal. Mas o prolapso dos órgãos pélvicos pode ser curado!

 

Sintomas de prolapso uterino 

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamento

O desconforto anatômico não é a única queixa que pode acompanhar o prolapso uterino. Com o tempo, os problemas podem piorar. 

Algumas mulheres não notam nada, enquanto outras relatam os seguintes sintomas: 

  • Pontadas na região pélvica (estômago, sacro, parte inferior das costas); 
  • sensação de corpo estranho na vagina; 
  • dispareunia (relação sexual dolorosa); 
  • transtornos urológicos tais como incontinência urinária e cistite; 
  • constipação, incontinência fecal e gases;  
  • corrimento vaginal branco ou sanguíneo; 
  • mudanças na função menstrual; 
  • infertilidade não é incomum (embora a gravidez não seja excluída). 
  • com o desenvolvimento do prolapso do útero, o sintoma-guia é uma protrusão autodetectável da fenda vulvar. 

Causas e fatores de risco

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamento

O prolapso do útero ocorre quando os músculos e ou tecidos conjuntivos da pelve não funcionam adequadamente. 

Os fatores de risco mais comuns são:  

  • trauma do nascimento (por exemplo, ao aplicar uma pinça obstétrica ou em caso de rasgos perineais profundos); 
  • múltiplos partos vaginais que aumentam o risco de prolapso de órgãos pélvicos, mas o prolapso uterino também pode ocorrer durante o parto por cesariana e mesmo se você não tiver filhos; 
  • Parto de uma criança grande; 
  • cirurgias genitais; 
  • estiramento prolongado dos músculos abdominais (devido à obesidade, levantamento de peso, tosse crônica ou esforço intenso durante as evacuações); 
  • defeitos congênitos da região pélvica; 
  • predisposição genética; 
  • falta de estrogênio, durante a menopausa; 
  • envelhecimento (distúrbios do assoalho pélvico são mais comuns em mulheres mais velhas). 

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Haja pique! Esta mulher africana tem menos de 40 anos e já é mãe de 38 filhos biológicos

Segundo uma pesquisa, cerca de 37% das mulheres americanas são afetadas pelo prolapso do útero entre as idades de 60 e 79. Nas que tem mais de 80, esta condição ocorre em quase 50% delas. 

Tratamento 

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamentoOlena Yakobchuk / Shutterstock.com

O prolapso uterino pode ser diagnosticado por um ginecologista com base nas manifestações clínicas (provavelmente, você será solicitado a se esforçar um pouco). O tratamento dependerá em grande parte dos sintomas, da idade e da presença (ou ausência) de outros problemas de saúde. Mulheres com genitais deslocados são aconselhadas a fazer check-ups médicos regulares. 

  

Você deve entrar em contato com um especialista com os primeiros sinais de prolapso de órgão pélvico, independentemente de quão sexualmente ativa você é. 

Como prevenir o prolapso de órgãos pélvicos

Já ouviu falar em deslocamento dos órgãos pélvicos? Saiba quem está na faixa de risco, assim como a prevenção e tratamentoAfrica Studio / Shutterstock.com

As etapas a seguir podem reduzir o risco desse problema: 

  • Mantenha seu peso em uma faixa saudável. As mulheres obesas são mais propensas ao prolapso uterino. 
  • Inclua alimentos com fibra em sua dieta. Fibra dietética ajuda a prevenir a constipação e esforço durante os movimentos intestinais. 
  • Tente não levantar pesos de mais de 10 kg sem preparo físico. 
  • Não fume. Entre outros efeitos negativos, o tabagismo pode levar a uma tosse crônica, que aumenta a pressão nos músculos do assoalho pélvico. 

Uma mulher deve prestar atenção especial à prevenção do prolapso ou decúbito do útero no período pré-menopausa. Uma forma particularmente eficaz é a terapia de reposição hormonal, que ajuda a melhorar o suprimento de sangue e fortalece os ligamentos dos órgãos pélvicos. 

Por favor, compartilhe esta informação útil com seus amigos!

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Cisto no ovário: 6 sinais precoces frequentemente ignorados pelas mulheres


Este material é destinado apenas a fins informativos. Alguns dos produtos e itens discutidos neste artigo podem causar reações alérgicas ou danos à saúde. Antes de fazer uso deles, consulte um especialista devidamente habilitado. Os editores não são responsáveis por quaisquer consequências que possam ser causadas pelo uso dos métodos, produtos ou itens descritos neste artigo.