Um comichão intenso a afligia durante a gravidez, mas ela salvou a vida do seu bebê graças a sua publicação no Facebook

Inspiração

October 25, 2017 17:25 By Fabiosa

Quando Christina DePino, de 28 anos, estava grávida do seu primeiro bebê, costumava postar atualizações da sua gravidez no Facebook. Um dia mencionou que sentia um comichão intenso e acabou que esse post salvou a vida do seu bebê.

DePino disse no seu post: “Eu sentia tanto comichão que acordava no meio da noite e não conseguia voltar a dormir. Minhas pernas e meus braços estavam começando a formas crostas e sangravam devido à vontade incontrolável que eu tinha de me coçar”.

Através da rede social, seus amigos sugeriram que ela fosse ao médico imediatamente porque o comichão incontrolável poderia ser um sintoma de colestase intra-hepática da gravidez, um problema hormonal que afeta a vesícula biliar da mãe e que pode pôr em risco tanto a vida da mãe como a do bebê, visto que este transtorno aumenta as possibilidades de que o parto adiante e o bebê nasça sem vida.

Depois de ler os comentários no Facebook, DePino foi imediatamente ao médico e de fato foi diagnosticada com colestase intra-hepática, por isso os médicos decidiram adiantar o parto com 37 semanas de gestação. DePino teve uma linda menina saudável que recebeu o nome de Lexa Rae.

Depois da experiência que pôs sua vida e a da sua bebê em perigo, DePino quis informar as mulheres grávidas que sentem muito comichão que não deixem esse sintoma de lado e façam um exame de sangue o mais rápido possível para descobrir se possuem esse problema e assim poder salvar a vida do seu filho.

De acordo com os médicos, a colestase intra-hepática da gravidez afeta aproximadamente 1% das mulheres grávidas e o sintoma mais comum é o comichão incontrolável sem presença de erupção cutânea, embora também possa aparecer outros sintomas como urina mais escura, fezes moles, fadiga, diminuição do apetite, náuseas e icterícia.

No entanto, se você está grávida e sente comichão, não quer dizer que tem esse problema. Mas se o comichão ocorre frequentemente e a coceira é severa, consulte seu ginecologista o mais rápido possível.