Sete mitos e verdades sobre as características das partes ?

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Sete mitos e verdades sobre as características das partes íntimas da mulher

Date 7 de novembro de 2018

A cultura constrói mitos em torno de determinados temas, principalmente daqueles que, durante anos, funcionaram como tabu. Alguns dos mitos mais difundidos sobre a feminilidade estão relacionados com as partes íntimas. Vamos ver quais são essas histórias que a cultura criou sobre as mulheres:

1. O mau odor das partes íntimas

Muitas pessoas acreditam e afirmam que os genitais cheiram mal. No entanto, este critério assume que os odores próprios do corpo são desagradáveis. É importante ter em conta que nas partes íntimas também temos glândulas sudoríparas. Esse é o odor normal que o nosso corpo produz. Agora, é realmente verdade que este pode ser alterado pelos alimentos que consumimos, pelos desajustes hormonais, pelas doenças ou por uma má higiene.

2. Esta área não envelhece e sempre parece igual

Isso é totalmente falso. Por acaso você conhece alguém que não está sujeito à ação do tempo? Assim como nosso corpo cresce, se desenvolve e envelhece, isso também ocorre com os genitais. Durante a etapa prévia à puberdade, a região íntima da mulher é muito diferente. Com a puberdade e a gravidez ela muda drasticamente e, com a velhice, ela adquire características muito próprias.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Produtos perfumados podem ser prejudiciais à região íntima da mulher

3. As secreções nesta região sempre indicam problemas

Isso é totalmente falso. Assim como acontece com a coloração da mucosa, as secreções são normais e fazem parte das demais excreções do corpo. Então, os médicos indicam que devemos estar alerta à viscosidade, à cor e ao cheiro das secreções. Se são esbranquiçadas ou transparentes e não fétidas, então não tem problema. Se alguma coisa estiver diferente, é aconselhável ir ao médico.

4. A higiene só é possível com uma boa ducha

Totalmente falso. Na verdade, a ducha pode causar muitos transtornos nas partes íntimas da mulher: ela altera o pH e a flora intestinal, provoca coceira e até queimaduras. A limpeza deve ser muito suave, sem nos expor à água diretamente, como no chuveiro ou nos banhos de espuma.

Agora veremos algumas coisas que te surpreenderão muito mais e jamais fizeram parte dos mitos (olha que contradição):

1. A parte íntima da mulher pode salvar vidas

Segundo várias pesquisas, as partes íntimas da mulher são uma fonte de células-tronco. Estas células são extraídas do fluido menstrual e são autorrenováveis. Elas são chamadas de células regenerativas endometriais e são usadas para reverter os danos dos acidentes vasculares cerebrais, da osteoporose, do Alzheimer, do Parkinson e da diabete.

2. A parte íntima da mulher pode revelar informação sobre a saúde

Se estivermos atentas a esta região – o calor, o cheiro, a textura e as secreções –, poderemos conhecer muito mais sobre o nosso corpo, desde os processos de ovulação até problemas físicos.

3. A parte íntima é uma região de contenção que protege a mulher

Nada pode atravessar esta região, e você não deve temer porque ela foi feita para te proteger de qualquer agente externo. Assim, ela funciona como uma barreira.

E agora vem a informação adicional para entender que no começo todos somos iguais, homens e mulheres: durante as oito primeiras semanas da concepção no útero da mãe, o feto não tem  seu órgão reprodutor definido. De fato, aquilo que mais tarde se forma e diferencia meninos e meninas é, na sua origem, igual para ambos os sexos.

Conhecer mais sobre seu corpo te ajudará a entender cada um dos processos que você vive ao longo da sua vida e dará sentido a cada etapa.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Xô mitos e crendices! 9 fatos reais sobre a higiene íntima que toda mulher deve saber


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.