O Canadá se considera um dos melhores lugares para a formação de crianças e a razão e

INSPIRAÇÃO

O Canadá se considera um dos melhores lugares para a formação de crianças e a razão está nas suas escolas

Date December 6, 2017 14:13

Qual é o melhor método para articular um sistema educativo eficaz? A verdade é que não existe um método único. Para muitos pais, a educação se torna um dos principais problemas ao encarar o futuro dos filhos. Inclusive, esta inquietude pela educação define, muitas vezes, os deslocamentos territoriais e as migrações. Assim como se migra em busca de melhorias econômicas, também se faz isso para obter melhores ofertas educativas.

No caso do Canadá, a educação é gratuita, pública e de alta qualidade. Desde 1983, quando foi aprovado o artigo 23 da constituição, estipulou-se que 7% do PIB seria destinado à educação.

A estrutura que rege o funcionamento do sistema educativo está baseada em um ordenamento regional que estabelece dez províncias. O governo de cada região é responsável por organizar e pôr suas escolas para funcionar. Trata-se de uma transferência de competências para administrar e conceber o ato da pedagogia desde o nível central do Estado até as localidades.

Este modo de executar a educação no país introduziu avanços importantes devido ao modelo de descentralização que ele adota, já que as escolas locais administram seus próprios fundos e têm, por fim, liberdade para tomar decisões sobre o plano de estudo. Cada região, e dentro dela cada município-escola, tem o poder de postular suas próprias políticas de instrução.

Além disso, é um direito da escola contratar professores e decidir quem faz parte do sistema educativo local. Nem o governo nem o Ministério da Educação impõem uma norma geral aplicável a todos os centros. A isso se soma o Conselho de Pais, uma iniciativa que vincula escola, família e sociedade.

No entanto, como todo modelo, este tem seus pontos cegos e fracos. O fato de descentralizar supõe que cada localidade implemente métodos próprios, o que faz com que a qualidade – embora tenha padrões altos em nível nacional – seja desigual.

É por isso que surgem algumas questões. Por exemplo, os níveis educativos. Existem três níveis para todo o país – mesmo se tratando de educação privada: fundamental, médio e superior. Eles possuem um estágio pré-formativo chamado pré-escolar. Também implementaram um quarto nível: os institutos técnicos. O que varia é quando começa ou termina um nível e, o principal, qual conteúdo associar a cada etapa.

Outros dos aspectos que funcionam de maneira geral e dão unidade e igualdade ao sistema é a revisão de currículos, levando em conta a consulta com professores e especialistas nas diferentes matérias – o que introduz diferentes níveis de liberdade para os professores. Além disso, todos são governados por um processo seletivo muito rigoroso de escolha dos docentes. O último aspecto está relacionado com o financiamento equitativo.

O panorama é muito variado: existem muitos cursos, metodologias e enfoques. Como saber para qual escola enviaremos as crianças? A qualidade das escolas canadenses é medida de acordo com um critério arbitrário, mas eficiente até o momento: o número de estudantes que é enviado para as melhores universidades, ou seja, a quantidade de estudantes e centros universitários de qualidade.

De acordo com este critério de avaliação e das qualificações, as melhores escolas no Canadá são: Ontário, 2 milhões de estudantes; Quebéc, 1 milhão; Columbia Britânica, 610.000 e Alberta, 530.000. Elas somam juntas 80% dos estudantes.

Um dos aspectos que caracterizam de forma geral a educação canadense é o enfoque inovador. A maioria das escolas locais aposta em introduzir matérias que estimulem olhares antirracistas, não machistas nem xenófobos, que fomentem os estudos das culturas nativas, o conhecimento de línguas aborígenes e da cosmovisão destas comunidades. Estes enfoques apostam no reconhecimento da diversidade cultural que constitui a nação canadense e, portanto, concebem a pedagogia como uma ferramenta para promover práticas de respeito e convivência.

Além disso, a educação canadense leva muito a sério os problemas atuais de migração. Sendo um país com uma alta taxa de imigrantes, seu projeto pedagógico está orientado a estimular práticas docentes de integração. As escolas não estabelecem distinções nem concedem privilégios, todos são iguais diante da lousa.

Trata-se de um sistema inclusivo e autogerenciado que deveria ser levado em conta em outros países para pôr em funcionamento políticas educativas mais equitativas.