A vida deste menino dependia de um transplante, até que ele recebeu uma grande notícia pelo Facebook

Inspiração

Há uma enorme quantidade de doenças que, ao serem diagnosticadas, não se sabe ao certo se terão cura ou não. A insuficiência renal é uma delas. Quem a possui passa a depender de muitas horas de hemodiálise várias vezes na semana. Quando quem padece dessa doença é uma criança, tudo fica ainda mais complicado.

Em novembro de 2014 nasceu Blake Bahr, e aos dois dias de vida do menino seus pais receberam o diagnóstico de que ele sofria de insuficiência renal crônica.

Seus primeiros 100 dias de vida foram no hospital. Ela rapidamente entrou em uma fila de transplantes e mesmo assim precisou fazer 13 horas diárias de hemodiálise, até que ele conseguisse receber a doação do órgão.

Foi então que uma pessoa apareceu através do Facebook. Laurie Jansen ficou sabendo da batalha de Blake, se comoveu com a história e, mesmo sem conhecê-lo, ela decidiu ajudar. A primeira coisa que ela fez foi enviar uma mensagem para a família se oferecendo para fazer os exames necessários para saber se ela poderia ser doadora.

"Eu não apenas tinha que fazer os exames, mas também convencer a família de Blake de que eu não era uma espécie de louca. Eu senti que eles precisavam de ajuda e que eu tinha de fato a possibilidade de ajudar."

Laurie sabe bem da importância da doação de um órgão, já que em 1997 sua mãe sofreu uma falha renal crônica e sua família passou por 10 longos meses de desespero.

Felizmente sua mãe recebeu um transplante a tempo e, após passar um ano inteiro no hospital, em duas semanas voltou a ser uma mulher normal.

Passados 16 anos ela precisou novamente de um doador, pois o rim doado já não funcionava bem. Laurie se ofereceu para ser a doadora, mas sua mãe se negou a aceitar.

Em novembro de 2013 sua mãe faleceu e Laurie sempre sentiu que a dívida de gratidão que tinha com ela não tinha sido paga, e foi então que conheceu Blake.

Em janeiro de 2015, um cirurgião especializado em transplantes do Hospital Universitário Saint Louis conduziu o transplante de um dos rins de Laurie para Blake. O procedimento foi perigoso e longo, mas teve um excelente resultado.

Quase um ano depois e já com 2 anos de idade, Blake agora pode desfrutar de sua vida, está aprendendo a caminhar e já pode comer de tudo.

Aqueles dias no hospital entre agulhas, tubos e hemodiálise ficaram para trás. Blake e Laurie têm uma relação que os manterá para sempre conectados. Além disso, Laurie se tornou uma grande amiga da família de Blake, que por sua vez estará eternamente agradecida a ela.

Fonte: Brave Blakes’s Battle

Recomendamos