Ao perceber que sua filha estava ficando cega, este pai inve

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Ao perceber que sua filha estava ficando cega, este pai inventou um método para ensinar braille a ela

Date February 23, 2018 04:12

Jacob Lacourse é um desses pais incríveis não apenas pelo amor que eles têm por seus filhos, mas também pela criatividade gerada por este amor intenso que os faz buscar a cada dia o melhor para seus pequenos, mesmo quando tudo parece muito complicado. Ele e a esposa, Beth, estavam muito felizes em 2016 quando sua filha Rebecca nasceu. Entretanto, eles rapidamente souberam que sua filha havia nascido com um problema congênito e tinha um déficit de audição.

Com o tempo, a família Lacourse soube que a filha sofria da de uma doença chamada síndrome de Usher, um problema que não afetava apenas a audição, mas também a visão.

Para estes pais, foi muito difícil digerir a notícia de que sua filha era surda, mas que também ficaria completamente cega antes de chegar à adolescência.

Ficamos completamente devastados por alguns dias, mas de repente percebemos que deveríamos procurar alguma coisa para melhorar a vida da nossa filha e para que tudo fluísse melhor para ela.

E foi justamente isso que Jacob fez passando o luto inicial pela notícia da doença, pois, segundo ele, o sentimento foi de ter perdido uma parte da filha. Este talentoso pai se dedicou a fazer um brinquedo com o qual sua pequena pudesse aprender a ler em braille. Segundo Lacourse, não há muitos brinquedos no mercado para crianças cegas.

Jacob, que é engenheiro de uma empresa de tecnologia, inventou um brinquedo chamado BecDot, com o qual sua filha pode aprender braille por meio de palavras, cores e letras.

Ela simplesmente ama este brinquedo... Ela se emociona muito com os sons que faz. Os pequenos pontos do braille se formam cada vez que ela coloca uma figura referente a um animal ou objeto.

Com a invenção, Jacob Lacourse deseja ajudar não apenas sua filha, mas espera que o brinquedo possa ser produzido industrialmente e em baixo custo, para que a maior quantidade possível de pessoas possam se beneficiar de seu uso.