Chega de viver no “piloto automático”: a técnica de co

ANIMAIS

Chega de viver no “piloto automático”: a técnica de consciência plena procura dar sentido à nossa vida

Date March 3, 2018 06:07

Vivemos em um mundo caótico onde as tarefas parecem não ter fim. Contudo, no meio da pressa para cumprir com a nossa agenda diária, nosso bem-estar e saúde parece que foram deixados em segundo plano.

Quando foi a última vez que você tirou um tempo para realmente descansar? Pense: nosso conceito de descanso muitas vezes causa mais estresse porque tentamos que ele seja perfeito.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 5 estratégias para reprogramar o cérebro e aliviar o estresse

A atenção plena como alternativa

maxpetrov / Shutterstock.com

Ainda que costumemos deixar a saúde mental em último lugar, está comprovado que muitos dos problemas fisiológicos têm sua origem no estado de ânimo das pessoas. Uma técnica que atualmente demonstrou grande eficácia para reduzir o estresse e aumentar a felicidade em geral é o mindfulness, ou atenção plena.

Trata-se de focar a atenção completamente no presente, nas nossas ações e sentimentos para o que acontece em cada momento, como nos sentimos, como reagimos diante da vida cotidiana.

Benefícios de praticar a atenção ou consciência plena

Look Studio / Shutterstock.com

A prática deste tipo de meditação tem suas origens no budismo e tem demonstrado melhorar o sentimento de bem-estar, além de aumentar a capacidade de consciência sobre a vida, tanto os prazeres como os dissabores que aparecem. Graças a ela, a pessoa se torna mais capaz de participar plenamente das suas atividades do dia a dia e melhora sua habilidade para enfrentar as adversidades.

A saúde física também é favorecida, pois diminui os níveis de estresse, contribui para tratar os problemas cardíacos, reduz a pressão arterial, a dor crônica, os problemas gastrointestinais e melhora a qualidade do sono.

Como funciona a consciência plena?

Maridav / Shutterstock.com

O sucesso desta técnica é atribuído às pessoas aprenderem a aceitar os diferente acontecimentos da vida, tanto bons como ruins, e não reagir com fuga ou aversão a estes últimos.

Graças a isso é que a meditação consciente costuma combinar com psicoterapia, em especial a cognitiva comportamental, já que ambas têm como propósito oferecer uma perspectiva geral desses pensamentos que a pessoa considera irracionais e até contraproducentes.

Técnicas de atenção plena

Maridav / Shutterstock.com

Existem diversas técnicas, mas todas dividem um mesmo objetivo: conseguir um estado de relaxamento totalmente focado em analisar cada pensamento e sensação que se tem, mas sem julgá-lo, simplesmente sendo consciente da sua existência e de como ele influencia a vida diária.

- Meditação básica: sente-se em silêncio e se concentre na sua respiração ou em uma palavra ou “mantra” para repetir silenciosamente. Permita que os pensamentos entrem e saiam sem julgá-los e torne a focar na respiração ou no mantra.

- Sensações corporais: observe sensações corporais sutis como uma coceira ou formigamento sem julgamento e deixe-os passar. Observe separadamente cada parte do seu corpo da cabeça aos pés.

- Sensorial: observe as imagens, escute sons, perceba cheiros, sabores... Chame-os de “visão”, “som”, “cheiro” ou “sabor” sem julgamento e deixe-os ir.

-Emoções: permita que as emoções estejam presentes sem julgamento. Pratique um nome estável e simples das emoções: “alegria”, “ira”, “frustração”. Aceite a presença das emoções sem julgamento e deixe-as ir.

Agora que você já sabe como enfrentar o dia a dia sem julgar a si mesmo, aceitando que toda experiência faz parte da aprendizagem diária, tente incluir a meditação no seu estilo de vida. Você verá como seu estado de ânimo melhora consideravelmente.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 7 dicas que podem ajudar a aliviar a dor da fibromialgia: dieta, controle do estresse e mais


Este artigo é destinado apenas a fins informativos. Antes de usar qualquer uma destas informações, consulte um especialista devidamente habilitado. O uso das informações descritas acima pode ser prejudicial para a saúde. O conselho editorial não garante resultados e não assume qualquer responsabilidade por danos ou outras consequências que possam resultar do uso da informação fornecida acima.