Ele viveu nove anos em um “coma virtual” sem que ningué

INSPIRAÇÃO

Ele viveu nove anos em um “coma virtual” sem que ninguém sequer imaginasse que ele escutava e via tudo

Date March 8, 2018 06:59

Há coisas horríveis que podem acontecer com as pessoas em relação à saúde. Uma delas é ficar em estado vegetativo. Esse foi o caso de Martin Pistorius, que entrou inexplicavelmente em estado vegetativo quando ainda era um adolescente. Felizmente, depois de anos, ele começou a recuperar os sentidos e agora tem uma vida normal. Vamos conhecer sua história.

EXCLUSIVO: "Garoto Fantasma" @martinpistorius no Sputnik: “Meus pais foram informados para me levar para casa para morrer”.

Um dia, em 1988, o jovem Martin estava voltando da sua escola. Ele estava indo para casa quando começou a sentir uma dor na garganta. O dia foi passando e essa dor, que começou como se fosse um sinal de uma gripe, se estendeu para todo seu corpo. Visto que não havia melhora, seus pais decidiram levá-lo ao hospital.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 6 possíveis causas da garganta seca: desde refluxo ácido até resfriado comum

Esta é a história de Martin Pistorius, “o menino fantasma” preso no seu próprio corpo.

Estando no hospital, não puderam fazer muito para que ele melhorasse. Ele foi ficando em estado vegetativo e a família teve que ver a terrível transição do jovem Martin durante um ano e meio. Os médicos garantiram que provavelmente em dois anos ele morreria. Fizeram massagens no seu corpo esperando por melhoras, mas como já não havia mais o que fazer no hospital, mandaram-no para casa, onde receberia os cuidados da sua família.

Na foto a seguir, vemos sua felicidade pelas conquistas de agora. Ele escreveu:

Que experiência incrível foi visitar e conversar na Apple em Cupertino, Califórnia. Conheci gente surpreendente que fez eu me sentir bem-vindo. Que privilégio!

Todos os dias, às 5 da manhã, seu pai se levantava para dar banho nele e começar a rotina de cuidados de Martin. Passou um bom tempo e ele começou a recuperar os sentidos, mas não havia uma maneira de expressar a notícia para sua família, pois o menino ainda não tinha a capacidade de se mover nem falar. Ele conseguia ver e ouvir o que diziam, mas não tinha como se comunicar. Uma dia sua mãe estava muito triste e lhe disse que queria que morresse logo para que ele não sofresse mais. Martin expressa esse momento da seguinte maneira:

Às vezes minha mãe, no seu desespero de me ver nesse estado, dizia: “Tomara que você morra logo”. No entanto, ela não sabia que eu podia escutá-la e isso me doía muito

Depois de ter passado mais tempo nesse estado, um dia uma enfermeira estava fazendo as massagens rotineiras quando se deu conta de que havia alguns sinais de reação de Martin. A enfermeira não hesitou em informar à família. Pouco a pouco ele foi melhorando e seus familiares decidiram comprar um computador com o qual poderiam fazer com que Martin se comunicasse com eles.

Infelizmente, a história teve uma mudança trágica, pois a mãe de Martin decidiu tirar sua própria vida. Ao fazê-lo, ela deixou um bilhete no qual pedia perdão ao seu filho pelas vezes em que desejou sua morte. Talvez a culpa e a dor tenham sido muito grandes, até que ela chegou à infeliz decisão de tirar sua vida.

Os anos se passaram e Martin começou a estudar na universidade, já com a capacidade de falar, de ver e de se mover, mesmo que ainda tivesse que usar cadeira de rodas. Ele se formou em 2009 e, como se não bastasse ter conseguido terminar os estudos, obteve seu diploma com honras. O melhor é que depois ele conheceu a mulher pela qual se apaixonou, com quem está atualmente casado e com quem vive no Reino Unido. Sua história deu a volta ao mundo. Ele mesmo está contente de ter saído em alguns jornais europeus como o Göteborgs-Posten, da Suécia.

Eu tive o privilégio de ter saído no Göteborgs-Posten.

Hoje em dia podemos ver fotos suas ou com a sua esposa na sua conta do Twitter. Em uma das suas fotos, é possível ver que ele realizou alguns dos seus sonhos, como visitar a ponte Golden Gate, em São Francisco. Na publicação seguinte, ele disse:

Imaginei por anos como seria ver a ponte Golden Gate... Hoje, não só consegui vê-la, como também a atravessei com a minha cadeira.

No mundo profissional, agora Martin é reconhecido como escritor e tem sua própria empresa de desenvolvimento de páginas web. Felizmente, esta história teve um final feliz, mesmo tendo passado por muitas dificuldades e sofrimento no percurso. Hoje em dia Martin é uma inspiração para as pessoas e goza de boa saúde junto com a sua esposa.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 7 resoluções que devem ser cumpridas para o bem da nossa saúde mental