Família lança alerta após seu filho ficar paralisado para sempre depois de ter comido uma maçã

Família & Crianças

June 4, 2019 18:47 By Fabiosa

Um menino pequeno se engasgou com um pedaço de maçã enquanto estava na creche e o terrível incidente o deixou incapaz de caminhar pelo resto de sua vida, sem mencionar que ele também terá dificuldades para falar e engolir de forma natural. 


Estamos falando de Neihana Renata, que tinha um ano e dois meses e vivia em Rotorua, na ilha de Nova Zelândia, quando essa tragédia aconteceu. Isso aconteceu de forma tão rápida e inesperada que nenhuma das professoras estava preparada para lidar com a situação. 

Todas as crianças foram alimentadas com pequenos pedaços de maçãs para o lanche, mas uma professora notou que Neihana estava tendo problemas para respirar, pois tinha se engasgado. Um professor tentou tirar a maçã da garganta enquanto o outro ministrava uma respiração boca a boca, mas nada adiantou e o pequeno teve uma parada cardíaca durante 30 minutos, o que fez com que seu cérebro ficasse esse tempo todo sem oxigênio, provocando uma paralisia cerebral severa. 

O menino foi levado ao hospital e ficou duas semanas na UTI e mais dois meses hospitalizado, no entanto, nada foi suficiente para salvá-lo de um trágico destino. Agora Neihana não pode caminhar, falar nem se alimentar. Não consegue se mover sem ajuda. E as perspectivas de melhora são nulas.

O Ministério da Educação do país registrou o ocorrido como "um incidente" e não tornou o caso público para que o setor de educação infantil pudesse discutir e atualizar as pautas sobre a segurança alimentar para bebês e crianças pequenas. Por esse motivo, os pais e a irmã gêmea de Neihana decidiram fazer algo a respeito.

A família apresentou seu caso para os meios de comunicação e assim eles puderam compartilhar sua trágica experiência para alertar outras famílias sobre os perigos que certos alimentos podem causar nas crianças, sobretudo quando não são bem cortados.

Agora, com o exemplo de Neihana exposto, eles buscam que as autoridades tomem as medidas pertinentes para assegurar que as creches e outros centros escolares tenham um melhor cuidado na hora de alimentar e cuidar das crianças, evitando assim, futuros acidentes.

Para ajudar uma criança que está se sufocando é necessário averiguar que, se ela está inconsciente é preciso aplicar a reanimação cardiopulmonar (RCP) imediatamente e analisar se é possível remover o objeto que está causando a obstrução. Se a criança está consciente, mas não respira, as ações devem ser outras.

Família lança alerta após seu filho ficar paralisado para sempre depois de ter comido uma maçãwowsty / Shutterstock.com

O que fazer quando uma criança de menos de 1 ano não respira?

  1. Sustentar a criança de cabeça para baixo segurando pelo antebraço, com a cebeça dela apoiada em seu joelho. Mantendo o torso mais alto do que a cabeça;
  2. Com a mão livre, dar 5 golpes firmes nas costas do bebê, na região entre as duas escápulas;
  3. Cuidadosamente virar o bebê para cima, apoiando a cabeça no joelho. Se o objeto ainda não tiver saído, continuar com os seguintes passos;

    Família lança alerta após seu filho ficar paralisado para sempre depois de ter comido uma maçãblackeagleEMJ / Shutterstock.com

  4. Manter a criança em uma superfície firme (podendo ser a mesma posição anterior). Colocar dois ou três dedos no centro do esterno da criança e pressionar rapidamente 5 vezes.
  5. Repetir os golpes nas costas e empurrar o peito até que o objeto saia e as vias aéreas não estejam mais obstruídas.

Família lança alerta após seu filho ficar paralisado para sempre depois de ter comido uma maçãOle_CNX / Shutterstock.com

E é graças à história de Neihana e ao esforço de seus pais para que outros tomassem conhecimento, outras famílias estão sendo informadas sobre esse perigo e, dessa forma, futuros acidentes como esse poderão ser prevenidos.


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.