Menina de 4 anos é encontrada após tomar diversas surras e pensar que seu nome era "Idiota"

A polícia encontrou uma menina de 4 anos de idade com hematomas graves ao longo do corpo, um olho roxo, uma bochecha inchada e uma marca na testa. Além disso, as autoridades relataram que a menina mostrou cicatrizes em processo de cura nas costas, sangue seco no canto do lábio e marcas de apertões nos pulsos.

O caso em si já é bastante assustador levando em conta todos os sinais de abuso físico que a menor apresentava; no entanto, embora pareça impensável, a situação era ainda pior. Quando um dos policiais se aproximou da garota para lhe perguntar seu nome, sua resposta o deixou perplexo. A menina estava convencida de que seu nome era "Idiota".

A mãe da menina tinha um namorado que morava com elas e, de acordo com relatos da polícia, o homem costumava chamar a menina de "Idiota" em vez de chamá-la pelo seu nome verdadeiro. Ele ainda amarrava a criança antes de dormir como forma de castigá-la.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Os médicos pensaram que os hematomas em sua barriga foram causados por maus-tratos, mas, na verdade, eram resultados de um milagre

Clarence Reed, 47, e a mãe da menina, Jennifer Denen, 30, ambos de Hot Springs, Arkansas, agora enfrentam acusações de violência doméstica por abusar da criança e colocá-la em risco. 

A polícia recebeu um telefonema do Centro de Defesa Infantil Cooper-Anthony, de onde um de seus funcionários informou às autoridades que uma menina desnutrida de 4 anos estava sendo abusada em sua própria casa. Reed e Denen, que estavam no centro quando a polícia chegou, foram presos em seguida.

Denen disse à polícia que viu seu namorado bater na sua filha com um bastão de plástico e que várias vezes havia ouvido ele chamar a menina de "Idiota". Além disso, a mãe admitiu não ter procurado nenhum tipo de tratamento médico para a filha, e isso tudo foi anexado à denúncia policial.

Reed confessou às autoridades que havia batido na criança, mas que, em vez de usar um bastão de plástico, usou uma pá de madeira com 12 milímetros de largura. O homem também admitiu ter amarrado a garota como uma medida de punição por ela ter subido nos armários da cozinha. Embora tenha confessado que chamava a menina de "Idiota", ele afirmou à polícia que isso era uma brincadeira.

De acordo com o boletim de ocorrência, na residência havia seis crianças, entre elas um bebê de 11 meses que era o único filho de Reed e Denen. A polícia também informou que a menina de 4 anos e o bebê de 11 meses estão sob a custódia do Departamento de Serviços Sociais. Os outros 4 irmãos foram enviados ao pai biológico.

Este caso é realmente devastador e, por incrível que pareça, não é único. As estatísticas mostram que 80% dos abusadores são os próprios pais, enquanto 6% são outros membros da família. Quatro por cento dos criminosos são namorados(as) da mãe ou do pai com quem o menor vive. Uma situação realmente dolorosa.

Fonte: Washington Post

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Arrasado, pai pede justiça pelos hematomas causados por um cuidador ao seu bebê