O luto desesperador de uma mãe orca que carregou o corpo do seu filhote sem vida durante dias no oceano

Notícias

August 2, 2018 15:09 By Fabiosa

Um acontecimento muito triste acaba de ser gravado na costa de Victoria, Columbia Britânica. Depois de o seu filhote morrer na terça-feira passada, apenas meia hora depois de ter nascido, a mãe, uma orca de 20 anos de idade chamada “J35”, arrastou o corpo da sua pequena cria por mais de três dias no mar.

Este era o primeiro filhote de orca registrado na região desde 2015.

Nós ficamos tristes ao relatar que um bebê orca (SRKW) morreu pouco tempo depois de nascer perto de Victoria, Columbia Britânica, no dia 24 de julho de 2018. A orca recém-nascida foi vista viva e nadando com sua mãe, J35...

A mãe empurrava seu recém-nascido com a testa e tentava mantê-lo perto da superfície do mar na costa de Victoria, na Columbia Britânica, disse Balcomb.

Ken Balcomb, cientista do Centro de Pesquisa de Baleias na Ilha de San Juan, dedicado a monitorar baleias e outros animais marinhos, disse que observou que a orca levava seu filhote morto sobre sua testa e tentava mantê-lo na superfície.

wildestanimal / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Tatu-bola sofre risco de extinção e os pesquisadores correm contra o tempo para reverter essa situação

Acho que ela está chorando e se nega a deixar o pequeno ir embora. É como se estivesse dizendo: ‘Por quê? Por quê?’”, disse o cientista ao jornal The New York Times. Na sexta-feira passada, ela ainda foi vista levando sua cria.

O filhote havia acabdo de nascer, nem sequer tinha gordura. Ele não parava de afundar, e a mãe o levantava até a superfície.

As orcas foram catalogadas há mais de uma década como espécies em perigo de extinção nos Estados Unidos e Canadá, e o declínio da população nos últimos anos preocupa e muito os pesquisadores. Isto se deve aos problemas com o abastecimento de alimento, aos problemas genéticos, à contaminação, ao ruído e à atividade naval.

Tory Kallman / Shutterstock.com

De acordo com um estudo da Universidade de Washington, dois terços das gravidezes das orcas não chegaram ao seu término entre 2007 e 2014.

Uma imagem comovente que tem por trás um problema ainda maior: a extinção de espécies pela inconsciência humana.

Fonte: Univisión, Infobae, Todo Noticias

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: O último rinoceronte-branco macho do planeta é a única esperança de preservação da espécie