Ex-modelo luta contra os esteriótipos femininos: "Acima dos 70, reformulada e usando minissaias – isto é desespero"

Benedetta Barzini, uma ex-modelo de 75 anos, foi a primeira modelo italiana a aparecer na capa da revista Vogue. Benedetta, uma feminista convicta, sempre viveu sua vida sendo contra esteriótipos femininos.

Em uma entrevista para o jornal Libero, a modelo, jornalista e professora compartilhou suas opiniões sobre o papel da mulher no mundo moderno.

Se o sistema te diz que você deve deixar seu rosto uniforme, vá e faça isso. Porque sua função ancestral é agradar os homens e ponto final. Nós somos escravizadas. Atrás desta mulher de 75 anos cheia de cirurgias plásticas e usando minissaias, existe nada além de desespero, pobreza intelectual e insegurança.

Seu compromisso com o movimeno feminista começou nos anos 70 e até hoje Barzini argumenta que nós vivemos em um mundo que, obviamente, não é para mulheres.

Em sua última entrevista para o Vanity Fair, a modelo disse:

Envelhecer significa aceitar sua idade, não fingir que é 20 anos mais nova. Eu estou orgulhosa da minha vida. Eu gosto do fato de que eu não pareço o que eu deveria ter me tornado, segundo alguns.

O rosto enrugado com uma juba de cabelos brancos parece alguém real, autêntico, que tem um senso verdadeiro de quem ela é, e que viveu de verdade - melhor do que alguém que passa o tempo se preocupando sobre o que quer que seja ou se seus cílios estão bem curvados.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Como trabalho de escola, menina de 12 anos "veste a camisa" contra a violência às mulheres e dá um show de responsabilidade

De acordo com Barzini, a única liberdade que a mulher tem é para fazer perguntas, questionar o porquê. Benedetta espera mais do "Me Too", o movimento contra o assédio e o abuso sexual.

Eu quero mais que isso. Agora, é como se a mulher não importasse. Eu vejo gueixas em todas as revistas de moda - mulheres com os lábios entreabertos, ansiosas para se tornarem lindas "do jeitinho que você quer". E "você" representa a sociedade dos homens. Este problema ainda não foi discutido ainda.

As mulheres não têm um sobrenome, porque todas as mães têm o sobrenome de seus pais. Não há uma linhagem genealógica feminina. As mulheres não entendem que nossa ausência significa nossa insignificância. É metade da raça humana que é silenciada, e mesmo assim isso nunca foi falado abertamente.

De acordo com a modelo, de fato, a mulher vive em um sistema que quer mantê-la subjugada. Se ela está ocupada se maquiando ou fazendo algo do tipo, ela não tem tempo para pensar acerca do mundo ou da realidade social.

O que você pensa das declarações da modelo?

Compartilhe este post com seus amigos – e vejamos o que eles têm a dizer.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: A feminista Rosie Boycott tem um conselho (polêmico) para as mulheres: voltem para a cozinha...e arrastem seus maridos também!

Recomendamos