Epilepsia: sintomas, causas, administração e casos quando a convulsão é uma emergência

Saúde e Estilo de Vida

December 20, 2017 13:05 By Fabiosa

O cérebro humano é um dos sistemas mais complexos que você pode imaginar, e seu funcionamento ainda não é totalmente compreendido. Quando algo no cérebro não funciona direito, a causa do problema pode ser difícil de ser identificada. É por este motivo que a causa da epilepsia, um dos distúrbios cerebrais mais comuns, permanece desconhecida em cerca de metade de todos os casos.

A epilepsia é uma doença neurológica em que uma atividade elétrica caótica no cérebro causa convulsões. Para ser diagnosticada com epilepsia, uma pessoa deve experimentar duas ou mais convulsões não induzidas. As convulsões variam em gravidade e podem ter muitas causas diferentes.

Estima-se que a epilepsia afete 3,4 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Qualquer um pode desenvolver a condição, mas é mais comum em crianças e adultos com idade avançada.

Sintomas da epilepsia

O principal sintoma da epilepsia é a convulsão. As convulsões podem ser parciais (afetar apenas uma parte do cérebro) ou generalizadas (afetar todo o cérebro). Uma pessoa pode ou não estar consciente durante uma convulsão. As convulsões se manifestam das seguintes formas:

  • distorção dos sentidos (qualquer sentido, incluindo olfato e paladar, pode ser afetado);
  • uma sensação geral estranha e incomum, que é difícil de descrever;
  • olhar fixo em algum ponto;
  • um sentimento de alegria, medo ou ansiedade;
  • movimentos repetitivos, como esfregar as mãos, mastigar ou caminhar de um lado para outro;
  • rigidez muscular;
  • espasmos ou formigamento nos músculos;
  • perda de controle sobre os músculos que leva ao colapso;
  • perda do controle da bexiga e do intestino.

Existem casos em que é necessária atenção médica de emergência, que são os seguintes:

  • a convulsão dura alguns minutos;
  • a pessoa está inconsciente e não respira após o término da convulsão;
  • a pessoa tem crises repetidas em intervalos curtos;
  • existe a presença de febre alta;
  • quando a convulsão ocorre com uma mulher grávida ou alguém com diabetes;
  • a pessoa sofreu uma lesão durante a convulsão (especialmente se for uma lesão na cabeça).

Causas da epilepsia

A causa da epilepsia permanece desconhecida em cerca de 50% dos casos. Nos outros casos, a condição pode ser influenciada por fatores identificáveis, como:

  • histórico familiar de epilepsia (este fator aumenta seu risco apenas um pouco);
  • lesão cerebral traumática (LCT);
  • condições cerebrais, incluindo acidente vascular cerebral;
  • tumores cerebrais;
  • doenças infecciosas, incluindo meningite, encefalite viral e AIDS;
  • falta de oxigênio durante o nascimento e outros problemas que podem ocorrer durante a gravidez e parto;
  • abuso de substâncias.

Administrando a epilepsia

Na maioria dos casos, a epilepsia pode ser controlada com medicamentos anticonvulsivantes, estimulação do nervo vago ou cirurgia para remover uma parte do cérebro ou desconectá-la do resto do órgão.

Muitas pessoas acreditam que a dieta cetogênica é útil nesta situação. Esta dieta é rica em gordura, possui baixo teor de carboidratos e muitas vezes é usada para controlar a diabetes. Os médicos também aconselham as pessoas com epilepsia a identificar seus gatilhos e evitá-los sempre que possível.

O tratamento correto pode ajudar uma pessoa com epilepsia a limitar a frequência de convulsões ou até entrar em remissão.

Fonte: Fonte: Mayo Clinic, NHS UK, HealthLine, Medical News Today, WebMD, BootsWebMD


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.