Menino de 12 anos enfrenta o racismo e agora tenta impedir o

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Menino de 12 anos enfrenta o racismo e agora tenta impedir o bullying com a ajuda de seus pais

Date November 13, 2018 15:36

As crianças podem ser violentas ao tentar dominar e receber reconhecimento das outras. E não há problema nisso até que elas cruzem a linha do que é aceitável. Infelizmente, hoje em dia, muitas crianças não conhecem os limites ou simplesmente não se importam com as consequências. Pode-se culpar os pais pela criação errada de seus filhos, mas é muito mais importante continuar falando e abordando essa questão para impedir o bullying nas escolas. As estatísticas nos mostram que o bullying é, de fato, um dos problemas mais graves do mundo atualmente.

Menino de 12 anos enfrenta o racismo e agora tenta impedir o bullying com a ajuda de seus pais

Rido / Shutterstock.com

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: De depressão e ansiedade ao abuso de substâncias e suicídio: os terríveis efeitos do bullying

Pare o bullying: percebendo o tamanho do problema

De acordo com diferentes estudos, os números comprovam que o problema é extremamente difundido e diz respeito a todos. Estima-se que mais de 150.000 crianças mataram aulas por causa do medo de sofrerem bullying. E isso não é tudo. Vejamos alguns fatos ainda mais assustadores:

  1. 30% das crianças admitem já terem praticado o bullying em alguém pelo menos uma vez.
  2. Mais de um quarto dos alunos são vítimas de bullying na escola.
  3. Mais de 70% das crianças se tornam testemunhas passivas de bullying.
  4. Michigan, Louisiana, West Virginia, Arkansas e Montana são os estados norte-americanos onde o bullying ocorre com mais frequência.

É muito claro que nenhuma criança é capaz de receber uma educação de qualidade se não se sentir segura na escola. Sem mencionar o fato do bullying, por diversas vezes, ter motivado tiroteios em massa em escolas. Quanto ódio e loucura podem ser resultado deste tipo de prática?

Menino de 12 anos enfrenta o racismo e agora tenta impedir o bullying com a ajuda de seus pais

gettyimages

Pare o bullying: a campanha anti-bullying de um menino

Muitas vezes, o bullying está lado a lado com o racismo. As crianças nascem sem nenhum desses conceitos, mas, de alguma forma, ainda recorrem a eles. A história de Tarrick Walker, 12 anos, demonstra exatamente isso. O garoto foi chamado de "negro burro" repetidamente por um colega de classe em sua escola, e até foi quase agredido fisicamente quando os amigos de Tarrick o defenderam. Percebendo que nem todos podem ter um apoio tão forte como ele teve, Walker decidiu lançar a campanha "Anti-Bullying".

Com a ajuda de seus pais, o menino se tornou um grande defensor do combate ao bullying e agora apoia as vítimas. De acordo com o pai de Tarrick, ele mesmo havia sofrido bullying na escola. Marcel Walker adverte todos os pais sobre as terríveis consequências do bullying: aumento de inseguranças, depressão, distúrbios sociais, etc.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Professora usa criatividade para defender aluna alvo de “bullying”

O racismo ainda está vivo, é feio e é ENSINADO em casa. Meu filho foi chamado de “negro burro” várias vezes hoje na escola por um colega de classe. Sério, os pais deveriam ensinar seus filhos a amar. Seja branco, negro, gay, hétero, etc., meus filhos serão ensinados a amar!!! #antibullying #blacklivesmatter #lovenothate #antibullyingmonth

**compartilhe, se desejar** Precisamos conscientizar nossas escolas e comunidade de que isso não está certo!!!

Os Walkers já doaram 100 camisetas e pulseiras para as crianças a fim de resolver o problema. Temos que ensinar as crianças de que não devem tolerar o bullying em qualquer forma! Qualque um pode comprar a camiseta por apenas 12 dólares (cerca de 45 reais) enviando uma mensagem direta para Marcel Walker em sua página no Facebook.

POR FAVOR COMPARTILHE ESTA CAUSA INCRÍVEL****

O mês de outubro foi designado como o mês "Anti-Bullying", mas isso não significa que você apenas apoie a causa 1 vez por ano. Muitos de vocês entendem os efeitos adversos do bullying e muitos de vocês já foram vítimas de bullying (inclusive eu por todo o ensino médio).

O bullying leva ao aumento de inseguranças, distúrbios sociais, depressão e muito mais.

Muitos de vocês sabem que meu filho é um grande defensor do Anti-Bullying e enfrentou praticantes de bullying e apoiou as vítimas em várias ocasiões. Ele tomou e quer ter uma POSIÇÃO maior e ensinar às crianças que NÃO DEVEM TOLERAR O BULLYING!!!

Pais, façamos com que nossos filhos representem uma causa positiva e que todos saibam que realmente nos importamos com as crianças. Este é o marco zero, se pararmos o bullying agora, poderemos ter uma melhor chance de erradicar o ódio e a segregação no futuro.

JÁ DOAMOS 100 CAMISETAS E 100 PULSEIRAS PARA ESTUDANTES (inteiramente gratuitas) QUE DIZEM NÃO AO BULLYING!!!

SE QUER UMA CAMISETA PARA VOCÊ OU SEU FILHO APENAS ME MANDE UM DM E INFORME O TAMANHO QUE PRECISA. (Todas as encomendas futuras custam apenas US$ 12,00 por camisa)

#istandwithtarrick

#antibullying #nobullying #nohate #norasism #noviolence #starthere

Pare o bullying: como os pais podem ajudar as crianças

Como pai ou mãe, você não é apenas a primeira pessoa que é responsável por ensinar o amor ao seu filho e os limites aceitos do comportamento social, mas também é quem deve estar presente para os casos em que seus filhos sofram bullying na escola. Alguns pais podem não saber como lidar com esse problema ou simplesmente não sabem como ajudar seus filhos corretamente. De acordo com psicólogos, há certas recomendações fundamentais que você pode seguir para parar ou, no mínimo, minimizar o bullying e suas consequências.

  1. Se o seu filho procurar sua ajuda com o bullying, tente tranquilizá-lo de que ele fez a coisa certa quando veio até você. Você pode criar um diário de eventos juntos para depois endereçá-lo às autoridades da escola, se necessário.
  2. Certifique-se de que eles entendam de que não é culpa deles. Não tome nenhuma ação sem primeiro discutir as intenções com seu filho.
  3. Deixe a criança encontrar as soluções para o problema. Ajude-a a identificar suas possíveis escolhas e as possíveis ações a serem tomadas. Discuta todos os prós e contras de tais soluções.
  4. Envolva seu filho em atividades que aumentem sua confiança. Seria ainda melhor se tais atividades acontecessem fora da escola, para que seu filho pudesse encontrar outras crianças e, possivelmente, fazer novos amigos.
  5. Se você acha que a situação aumenta rapidamente, discuta-a com as autoridades da escola. Um ambiente seguro é um direito básico de qualquer criança. As escolas precisam garantir a segurança, punindo aqueles que violam as regras comportamentais. Você também pode fazer uma reclamação oficial de que a situação não está melhorando.

Menino de 12 anos enfrenta o racismo e agora tenta impedir o bullying com a ajuda de seus paisMother having a conversation with her little daughter

LightField Studios / Shutterstock.com

Somente através da constante conscientização podemos tornar o mundo um lugar melhor para nossos filhos. O papel dos pais no bullying não pode ser superestimado. Temos a maior responsabilidade de ajudar nossos filhos a se tornarem pessoas decentes e ter sucesso na vida.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Encontrar a causa raiz do bullying: quem ou o que devemos culpar?