Será que a dieta pode ter um efeito positivo no autismo? Es

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Será que a dieta pode ter um efeito positivo no autismo? Especialistas respondem a essa questão

Date May 17, 2018 18:16

Atualmente, o autismo é o problema genético número 1 ao redor do mundo. Os números envolvendo os transtornos do espectro autista são aterrorizantes para dizer o mínimo: 1 a cada 59 crianças recebem o disgnóstico de acordo com um relatório publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Esse número representa mais do que todas as crianças diagnosticadas com câncer, diabetes e AIDS juntas. Entretanto, ainda não há cura para a doença.

Quando vivemos situações extremas, como sofrer de um problema sem cura como é o autismo, podemos tentar de tudo. A mídia têm divulgado muitas dietas e suplementos como coadjuvantes no tratamento do autismo, mas será que eles funcionam mesmo? Vamos saber o que os especialistas dizem sobre o assunto!

A opinião do especialista sobre a dieta sem glúten e caseína

O médico Brian Udell, diretor do Centro de Desenvolvimento Infantil dos Estados Unidos, diz que não há uma dieta específica para as pessoas que sofrem de autismo. Entretanto, ele sugere que uma dieta livre de glúten e caseína pode aliviar alguns sintomas digestivos. Esta dieta exclui o glúten e duas proteínas existentes no trigo e no leite. O Dr. Udell diz que apenas 25% sentem alguma melhora.

O médico também recomenda introduzir a dieta de maneira gradual, retirando um tipo de alimento por vez e ir anotando os sintomas em um diário. O melhor é começar com a retirada dos laticínios e substituí-los por leite de amêndoas, por exemplo.

O médico também sugere uma dieta cetogênica com alto teor de gordura e baixa em carboidratos para crianças que têm algum distúrbio convulsivo. Isso sempre supervisionado por um profissional da nutrição, já que a dieta pode favorecer o ganho de peso e aumento do colesterol. Uma dieta livre de açúcar e leveduras pode ser benéfica para outras crianças também.

O Dr. Kent Williams, médico do Hospital Infantil Nationwide, diz que existe uma ligação entre a melhora no estado das crianças e a dieta livre de glúten e caseína. Ele acredita que vale a pena fazer um estudo mais profundo e uma tentativa nas famílias. Entretanto, devem ser tomadas algumas precauções. Ao iniciar a dieta de excluir o consumo de produtos com glúten e caseína, que também possuem vitaminas e minerais essenciais, deve haver sempre supervisão de um especialista. Portanto, os pais deveriam compensar uma possível deficiência com suplementação.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Novas pesquisas confirmam: autismo tem origem principalmente genética

Fatos sobre a dieta sem glúten e caseína

1. Não há "dias livres"

Para que a dieta funcione, a caseína e o glúten devem ser excluídos para sempre. Muitos estudos mostram que quebrar a dieta uma vez por mês pode diminuir consideravelmente sua eficácia.

2. Pesquisa promissora

Billion Photos / Shutterstock.com

Diferentes estudos mostram diferentes resultados, mas todos dão bastante esperança pelo menos. Uma pesquisa feita pela Universidade Penn State mostrou que a dieta pode melhorar sintomas como a hiperatividade, convulsões, birras, habilidades de fala e problemas com o contato visual.

3. Ela não funciona para todos

Monkey Business Images / Shutterstock.com

Ainda não foi explicado por que a dieta ajuda apenas algumas crianças e não tem efeito algum em outras. Parece que crianças com alergias alimentares ou problemas digestivos crônicos se beneficiam mais.

4. Ter ajuda especializada é fundamental

Apenas especialistas no tema como médicos e nutricionistas podem ajudar a fazer a dieta para a criança e determinar os suplementos que devem ser tomados. O profissional também irá ajudar a planejar com os lanches e refeições.

5. Ser paciente é importante

Tatyana Dzemileva / Shutterstock.com

Ninguém é capaz de prever quando ou se a melhora realmente acontecerá. Alguns pais percebem mudanças em apenas dias ou semanas, enquanto outros esperam alguma melhora por meses. O recomendado é que a dieta seja feita por pelo menos 6 meses antes de tirar alguma conclusão.

Resumindo tudo o que foi dito, pode-se dizer que apesar de muitos estudos mostrarem resultados positivos, nenhuma dieta garante uma melhora real. Caso você queira tentar essa dieta, consulte um especialista, siga suas recomendações e o mais importante: tenha paciência.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 9 fatos sobre o autismo com base no que a ciência sabe até agora


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.