Mulher de 46 anos sofreu com coceiras íntimas por muitos an

Mulher de 46 anos sofreu com coceiras íntimas por muitos anos até que foi diagnosticada com um câncer raro e mortal

Saúde e Estilo de Vida

April 9, 2019 01:01 By Fabiosa

Alguns tipos de câncer são fáceis de serem diagnosticados, principalmente se são detectados rapidamente, permitindo mais chances de sucesso no tratamento. Infelizmente, o câncer vulvar não está na lista. Essa é uma doença incomum e seus sintomas são bem similares a outras doenças mais corriqueiras, fazendo com que seja extremamente difícil diagnosticá-la corretamente.

Emma Robinson, uma mãe de três de Wigston, Leicestershire, foi diagnosticada com um câncer terminal de vulva e enviou uma importante mensagem para todas as mulheres.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Por que você tem uma "coceira" lá embaixo? Quais as causas de coceira vaginal e o que fazer

A história de Emma.

Emma Robinson, 46, conviveu alguns anos com coceiras e infecções fúngicas recorrentes desde quando era jovem. Diversos médicos prescreveram tratamentos distintos, no entanto, a coceira continuava.

Depois de anos tentando entender o que havia de errado com ela, Emma foi diagnosticada com um distúrbio raro chamado líquen escleroso, uma condição inflamatória autoimune que afeta a vulva.

Mais ou menos sete anos após este diagnóstico, Emma recebeu um outro, e, dessa vez, muito mais sério. Em alguns casos, o líquen escleroso pode se desenvolver para o câncer de vulva e foi isso que aconteceu com esta mulher. Ela foi diagnosticada em dezembro de 2015 e, infelizmente, recebeu a notícia de que aquele era um câncer mortal.

A mulher ficou chocada com a notícia, mas tinha que se manter forte para os seus três filhos, Kyle, de 26 anos, Katie-Louise, de 17 e Jake, de 15.

O ex-marido de Emma e pai dos três filhos, David Oldfield, foi bastante solícito durante todo o processo, disse Emma:

Nós éramos bons amigos e eu não poderia ter pedido um pai melhor para meus filhos.

Mas além de ter que lidar com a doença, Emma queria que seu próprio diagnóstico servisse como um aviso para outras mulheres. Ela complementou:

Eu conheço algumas pessoas que já morreram dessa doença sem nunca ter ido a um médico, porque estavam muito envergonhadas de passar por uma consulta. É absolutamente maluco e de partir o coração.

Eu quero que as mulheres conheçam seus corpos e suas áreas íntimas e se elas suspeitam que qualquer coisa possa estar errada, que elas tenham a confiança de ir atrás de um diagnóstico.

Sua saúde é a coisa mais importante no fim das contas.

Não estou exagerando sobre meus sintomas.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Coceira anal: as causas e o tratamento de um sintoma delicado

Um pouco mais sobre o câncer de vulva.

O câncer vulvar é um câncer ginecológico bastante incomum que inicia na vulva (a parte externa dos genitais femininos). O Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos estimou que aproximadamente 6,190 americanas poderiam ter esse mesmo diagnóstico em 2018.

Mulher de 46 anos sofreu com coceiras íntimas por muitos anos até que foi diagnosticada com um câncer raro e mortalAfrica Studio / Shutterstock.com

Este tipo de câncer pode não produzir sinais e sintomas nos estágios iniciais. Porém, segundo o WebMD, quando eles aparecem podem incluir os seguintes aspectos:

  • coceira persistente;
  • sangramento anormal (ex: qualquer sangramento que não seja parte da menstruação);
  • sensibilidade na região;
  • alterações na pele da área, como alteração na cor;
  • crescimento anormal na área.

Mulher de 46 anos sofreu com coceiras íntimas por muitos anos até que foi diagnosticada com um câncer raro e mortal

Como o câncer de vulva é incomum e muitas doenças benignas possuem os mesmo sintomas, muitas vezes ele acaba sendo "escondido" por trás de um diagnóstico errado.

Como a própria história de Emma nos mostra, não deixe de fazer o check-up ginecológico todo ano e relate ao seu médico se você está suspeitando de algum sintoma recorrente, principalmente aqueles que citamos acima.

Não se esqueça de compartilhar esse artigo para que essas informações vitais continuem chegando nas pessoas que as precisam.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Não ignore os sintomas do câncer! 18 maneiras como seu corpo avisa que algo está errado


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.