5 maneiras de diminuir o impacto do divórcio na vida dos fi

FAMÍLIA & CRIANÇAS

5 maneiras de diminuir o impacto do divórcio na vida dos filhos

Date September 19, 2017 14:28

A separação entre casais tem sido algo cada vez mais comum, e frequente. De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, houve um aumento recorde no número de divórcios no Brasil de 45,6% em apenas um ano.

Photographee.eu/ Shutterstock

Esses números refletem mudanças da nossa própria sociedade, como o modelo de estrutura e relação da família, os níveis de expectativas, de tolerância. Pesquisas indicam que a separação conjugal é o segundo fator que mais gera sofrimento, seguido apenas da perda de um ente querido.

A separação não afeta apenas o casal, mas principalmente os filhos. Eles acabam sofrendo diretamente os impactos dessa mudança. Por isso, algumas dicas podem ajudar a reduzir esses traumas:

1 – Pense em primeiro lugar no que é bom para seu filho: Se os dois mantiverem essa meta em mente e colocar o bem-estar do filho em primeiro lugar, tentando deixar as próprias mágoas de lado para proteger o filho, metade do caminho já foi percorrido. Quando estiver em dúvida sobre o que pode ser o melhor a fazer, primeiro se pergunte: o que é melhor para ele?

2 – Seja neutro e não fale mal do outro: quando os pais se separam, mesmo inconscientemente as crianças se sentem culpadas. Ou muitas vezes sentem que precisam “escolher” um lado. Se um dos dois fala mal do outro ou se faz de bonzinho para tentar conquistar a confiança do filho, isso só irá gerar mais sofrimento e pressão psicológica para a criança.

3 – Evite situações tensas e tente manter uma rotina: a criança possivelmente já está em guarda e casa compartilhada. E isso por si só já não é fácil. Então, faça o possível para que ela sinta o mínimo possível essa mudança. Evite brigas, discussões, evite impedir ou atrapalhar as agendas já combinadas. Tentem manter uma rotina.

4 – Evite desabafar para seu filho: as crianças tem o direito de saber que os pais estão (ou se separaram). Mas cuidado com o que fala e da forma que fala. Não é um processo fácil para eles. Por isso, converse explicando que os pais não ficarão mais juntos, mas que a mãe será sempre a mãe e o pai sempre o pai e que ambos o amam e que ele não tem culpa de nada. Além disso, por mais que a criança pareça madura, evite desabafar.

5 – Não use o filho como mensageiro, espião ou qualquer outra função: isso acontece mais do que se imagina e muitas vezes sem perceber. Então evite usar o filho para tirar informações ou para dar algum recado para o ex ou a ex.

Recomendado para você: O fim de um relacionamento é como um luto. Mas acredite: no final tudo dá certo!