5 motivos para ensinar limites para as crianças

FAMÍLIA & CRIANÇAS

5 motivos para ensinar limites para as crianças

Date November 2, 2017 13:24

“Essas crianças estão crescendo sem limites”: essa é uma frase recorrente nos últimos tempos. Afinal, o que mudou da geração anterior para a atual? Será que a vida moderna tem deixado os pais muito permissivos?

Não dá para generalizar, mas é muito comum vermos crianças que decidem tudo na casa, desde a hora de comer, a hora de tomar banho, até a hora de dormir.

Recomendado para você: Vídeo viraliza na Internet e faz os pais pensarem sobre a importância de impor limites

Isso quando não vemos os pais irem dormir e as crianças passarem a noite na Internet, no videogame ou em frente à televisão. Outras cenas comuns são quando as crianças fazem escândalo quando não querem fazer determinadas coisas e alguns pais, em muitos momentos, parecem perdidos.

Afinal, por que é tão importante ensinar limites para as crianças? São muitos os motivos. Veja alguns:

1 - Prepará-lo para o mundo: o mundo é formado por regras e limites e para viver bem em sociedade, desde cedo a criança precisa aprender a lidar com rotinas e com essas regras.

2 - Controle de conduta: uma criança que não aprende a controlar seu comportamento e não recebe disciplina, pode ter problemas de conduta no futuro e dificuldades para lidar com ordens e com hierarquia.

3 - Amadurecimento emocional: crianças que sabem obedecer regras demonstram maturidade e flexibilidade emocional, o que pode evitar sofrimento na vida adulta. Aprender que tudo tem a hora certa também contribui para o amadurecimento emocional.

4 - Aprender a lidar com a frustração: na vida, nem sempre as coisas acontecem da maneira que desejamos e no momento que desejamos. Desde cedo é importante que a criança tenha contato com pequenas frustrações para que na vida adulta, consiga lidar com situações indesejáveis.

5 - Desenvolver a empatia: é desde cedo que se desenvolve a habilidade de se colocar no lugar do outro, de dividir o doce ou de compartilhar o mesmo brinquedo. Quanto mais empática a criança for, mais facilidade de relacionamento poderá ter na vida adulta.

Sabemos que não existe um manual para a educação infantil, porque cada criança tem um perfil diferente e as famílias também apresentam dinâmicas diferentes.

Mas alguns conceitos básicos podem ajudar a transmitir os limites de uma forma bem eficaz.

A comunicação deve ser firme e ao mesmo tempo clara e amorosa, sempre com coerência e parceria. Dê autonomia para a criança fazer sozinha, mas quanto mais nova, mais necessário o acompanhamento. Mostre parceria e diga que se algo sair errado, estará ao lado para auxiliar. Substitua os termos “merecimento x castigo” pelas palavras “ação e resultado”.

Veja também: Infantolatria: quando a criança comanda a dinâmica familiar


O propósito deste artigo é meramente informativo. Não há intenção de oferecer recomendações médicas. Fabiosa não é responsável por possíveis consequências de qualquer tratamento, procedimento, exercício, alteração alimentar, ação ou uso de medicamentos resultantes da leitura e das instruções contidas neste post. Antes de começar qualquer tratamento, consulte um médico. As informações acima não substituem um diagnóstico a ser realizado por uma equipe de profissionais preparados.