Guia Definitivo do Diabetes: o que é, como identificar e como tratar

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Guia Definitivo do Diabetes: o que é, como identificar e como tratar

Date 22 de setembro de 2017

Sensação de fraqueza, tremor, tontura, boca seca, visão turva, perda de peso, vontade frequente de urinar e sensação de fome, mesmo depois de comer. Esses são alguns dos possíveis sintomas do Diabetes. Mas atenção porque em alguns casos, ele chega sem alarde.

Tudo acontece quando nosso corpo não está com a quantidade suficiente de insulina, produzido pelo Pâncreas. A insulina é como uma chave, que abre as células do nosso corpo para que a glicose (açúcar) possa entrar e gerar a energia. Quando não tem a chave (insulina), o açúcar se acumula no sangue e então, o “Didi” (como é carinhosamente apelidado por alguns para trazer um pouco de leveza) aparece.

Hoje mais de 13 milhões de brasileiros possuem diabetes, sendo cerca de 7% da população e com os hábitos da vida moderna esse número tem aumentado.

Conheça os tipos de Diabetes, sintomas e tratamento:

Tipo 2: quando a insulina não é suficiente para controlar a glicemia. Não há sintomas no início, mas depois de um tempo a pessoa pode sentir fome e sede excessiva, infecções frequentes, vista turva, formigamento nos pés e furúnculos. Alguns casos podem ser tratados por meio de alimentação e atividade física. Dependendo do estágio, é necessário aplicar a insulina para controle de glicose.

Tipo 1 : acontece por herança genética ou infecções virais, quando o próprio sistema imunológico ataca as células e não libera a insulina para o corpo. Mais comum em adultos jovens, crianças e adolescentes. Os sintomas são vontade frequente de urinar, fome e sede excessiva, perda de peso, sensação de fraqueza e cansaço, náusea e vômito e oscilações de humor. O tratamento consiste em insulina, medicamentos e atividades físicas.

Gestacional: não apresenta sintomas e geralmente é descoberta nos exames pré-natal.

Pré-diabetes: é o diagnóstico, ainda reversível, que precede o diabetes tipo 2. Geralmente não apresenta sintomas.

Como identificar?

Uma gota de sangue já pode sinalizar a taxa média de glicemia. Se houver alteração, os médicos costumam pedir o exame de curva glicêmica, entre outros.

Como controlar?

O controle do nível de glicose no sangue deve ser realizado constantemente com aparelhos em que a pessoa pode medir em casa. A glicemia normal em jejum não deve ultrapassar os 100 mg/dl e duas horas após alguma refeição, a glicemia não deve estar acima de 140 mg/dl.

Alimentação:

Recomenda-se uma alimentação saudável e balanceada, com controle de carboidratos, que viram açúcar no organismo. Os médicos orientam evita passar muito tempo em jejum, a fracionar as refeições com quantidades e em intervalos menores e com mais frequência. Evitar molhos gordurosos, açucares, doces, frituras, queijos, bebida alcoólica e diminuir o sal, dando preferência sempre para alimentos integrais.

Exercícios Físicos:

Praticar atividade física regular e se possível no mesmo horário pode fazer toda a diferença para equilibrar a glicemia. Caminhadas e bicicleta podem ser ótimas opções. Mude os hábitos. Substituta o elevador pela escada. Lembre-se que exercício físico não significa só malhação.

Emocional:

Apesar da Sociedade Brasileira de Diabetes garantir que não exista o Diabetes Emocional, muitos médicos defendem que a doença pode ser desencadeada por questões psicológicas e emocionais. O estresse pode funcionar como um gatilho, neste caso, cuide da saúde emocional e psicológica também.

O propósito desta postagem é exclusivamente informativo. Não há intenção de oferecer recomendações médicas. Fabiosa não é responsável por possíveis consequências de qualquer tratamento, procedimento, exercício, alteração alimentar, ação ou uso de medicamentos resultantes da leitura e das instruções contidas neste artigo. Antes de experimentar qualquer tipo de tratamento, o leitor deve procurar um médico.

Recomendado para você: O guia definitivo do hipertireoidismo: o que é, como identificar e como tratar?