Alerta de saúde: tomar antidepressivo durante a gravidez po

CELEBRIDADES

Alerta de saúde: tomar antidepressivo durante a gravidez pode alterar o cérebro do bebê

Date April 17, 2018 17:01

Em caso de gravidez, consulte um médico”. Essa frase pode ser encontrada na bula de quase todos os medicamentos existentes atualmente e não é simplesmente uma frase figurativa. De fato, é preciso ter cuidado ao ingerir medicamentos durante a gestação e nem todos podem ser utilizados. Isso porque como o feto está em desenvolvimento, qualquer componente ingerido pela mãe entra na corrente sanguínea e alguns deles podem gerar algum tipo de alteração.

A classe de medicamentos antidepressivos é uma das discussões mais complexas dentro dessa área da medicina. Uma pesquisa recente divulgada em uma publicação científica chamada JAMA Pediatrics identificou uma relação entre o uso de antidepressivo durante a gestação e alterações no desenvolvimento cerebral dos bebês gerando patologias que se estendem desde TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção) até mesmo o TEA (Transtorno do Espectro Autista).

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Bianca Bin, a Clara de O Outro Lado do Paraíso, revela que faz uma terapia diferente para eliminar traumas

A pesquisa utilizou casos de 89 crianças e neste grupo 16 crianças haviam nascido de mães que haviam realizado tratamento com um depressivo de uma classe popular conhecida como SSRIs, que em inglês se referem aos Inibidores Seletivos de Receptação de Serotonina. Outras 21 mulheres do grupo haviam sido diagnosticadas com depressão, mas não haviam recebido antidepressivos durante a gestação.

Os estudiosos identificaram que as crianças que foram expostas aos componentes do antidepressivo apresentaram tendência a um maior desenvolvimento de duas áreas essenciais no cérebro para a regulação do humor, que são a amígdala e o córtex. O aumento da comunicação entre estas regiões não é necessariamente um aspecto negativo, mas pode ser uma das características dos transtornos.

Os pesquisadores explicam que os resultados do estudo não são motivos para pânico e alerta e destacam, principalmente, que cada caso deve ser avaliado junto com o médico. Não se recomenda parar de tomar antidepressivos por conta própria e drasticamente e dependendo do estágio de transtorno da mãe, o médico poderá avaliar melhor o que pode ser feito.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Fibromialgia: por que aparece, como percebe-la e como tratá-la


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.