Pesquisa descobre uma atividade mental simples que pode melhorar a sua vida sexual

Notícias

April 20, 2018 15:00 By Fabiosa

Quando se fala em exercício mental, muitas pessoas podem pensar que seja algo complicado ou inalcançável. Na verdade, há muito tempo os pesquisadores vem comprovando a eficácia e os benefícios da meditação na saúde física e psicológica do ser humano.

fizkes / Shutterstock.com

A última descoberta agora sobre a meditação é que esse tipo de exercício mental pode contribuir para o aumento de libido e da qualidade da vida sexual tanto para homens quando para mulheres.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Escola substitui suspensão por meditação e resultados são incríveis

Um estudo publicado recentemente no “Journal of Sex and Marital Therapy” entrevistou 450 mulheres sobre suas vivências com a meditação, libido, consciência, sensações, saúde e humor.

Desse grupo, 193 mulheres tinham o hábito de meditar com regularidade, independente do tempo de duração. Estas mulheres apresentaram níveis mais altos de desejo e atividade sexual.

Luna Vandoorne / Shutterstock.com

A autora do estudo, a professora da Universidade de Colúmbia Britânica, Lori A. Brotto, explicou que as mulheres com experiência em meditação apresentaram mudanças e melhorias na libido, na lubrificação, no orgasmo e no desejo, em comparação às mulheres que não meditam.

Essa conclusão pode estar relacionada diretamente à questão emocional. Considerando que o humor é um dos fatores para uma melhor vida sexual, as mulheres que meditam podem apresentar menos sintomas de ansiedade e outras emoções negativas e isso pode se refletir diretamente na vida sexual.

fizkes / Shutterstock.com

Essa é uma pesquisa ainda isolada e a comprovação depende de outras pesquisas com grupos diferentes e em lugares diferentes. De qualquer forma, cada vez mais a meditação vem trazendo benefícios comprovados em diferentes aspectos do ser humano. Que tal tentarmos?

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Descubra os benefícios da meditação e como essa prática pode transformar o seu cérebro


Este artigo é destinado apenas a fins informativos. Antes de usar qualquer uma destas informações, consulte um especialista devidamente habilitado. O uso das informações descritas acima pode ser prejudicial para a saúde. O conselho editorial não garante resultados e não assume qualquer responsabilidade por danos ou outras consequências que possam resultar do uso da informação fornecida acima.