7 coisas que as mulheres já foram proibidas de fazer em outros tempos

Saúde e Estilo de Vida

Sabemos que a luta por direitos iguais entre homens e mulheres se dá há muito tempo, mas existem alguns fatos antigos sobre a desigualdade de gênero que não são tão conhecidos e chegam até a serem inacreditáveis de tão absurdos.

Separamos então uma lista de algumas práticas proibidas às mulheres antigamente. Confira a seguir:

1. Usar biquínis curtos

Everett Collection / Shutterstock.com

Em 1920, elas eram proibidas por lei de mostrar muito as pernas, mesmo que estivessem na praia. Era feito um patrulhamento, para fiscalizar o tamanho das roupas de banho das mulheres, com fita métrica e tudo! Algumas delas insistiam em ir contra isso e acabavam presas.

Na década de 50, o biquíni curto foi liberado por lei, mas ainda demorou um tempo para que a sociedade aceitasse a ideia.

2. Ter um cartão de crédito

Se usado com sabedoria, o cartão de crédito pode ser um bom aliado das finanças, pela praticidade que possibilita. Algumas pessoas preferem não usá-lo para não cair na tentação de gastar mais do que pode. Mas há algumas décadas, isso não chegava nem a ser uma opção para as mulheres.

No inícios dos anos 70, a mulher era proibida de ter o seu próprio cartão, a não ser que existisse algum homem que assinasse sua aplicação. Foi necessária a aprovação da Lei de Igualdade de Oportunidades de Crédito para que isso mudasse.

3. Trabalhar durante a gravidez

Até 1964, os empregadores não tinham qualquer impedimento para demitir uma funcionária grávida, sem pagar seus devidos benefícios. E estas mulheres precisavam se esforçar mais ainda, pois não existia qualquer legislação que pudesse assegurá-las nesse sentido.

E foi somente com a chegada da Constituição de 1988 que as mulheres conquistaram o direito de licença maternidade.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: “O Outro Lado” de Sergio Guizé. Ao contrário do violento Gael, ator defende os direitos das mulheres

4. Participar de juris

Everett Collection / Shutterstock.com

Em 1879, a Suprema Corte dos Estados Unidos proibiu a participação feminina em juris, usando como justificativa absurda a afirmação de que as mulheres não eram capazes de julgar como os homens.

Apenas em 1957 a lei foi modificada e permitiu que elas também participassem, porém, ainda deixou em aberto aos Estados a opção de vetá-las. Essa vergonha só chegou ao fim em 1975.

5. Tomar anticoncepcional

No século 20, qualquer coisa que impedisse a mulher de ter filhos era proibida. 4 décadas depois, a Suprema Corte aprovou uma lei que permitiu a prática por parte das casadas e, somente em 1972, das solteiras.

6. Jogar futebol

Everett Collection / Shutterstock.com

Não só futebol como muito outros esportes considerados “masculinos” eram proibidos de serem praticados pelas mulheres. Isso acontecia porque os médicos achavam que eles eram muito “pesados” para elas. A situação só mudou a partir de 1971.

7. Ver jogos olímpicos

Se ser proibida de jogar já é um absurdo, imagina não poder nem assistir aos jogos? Era o que acontecia com as mulheres gregas casadas, que podiam até serem punidas com pena de morte, caso desobedecessem à ordem.

Fonte: Fatos Desconhecidos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: A injusta diferença de salários entre os gêneros e o que as mulheres pensam sobre isso

Recomendamos