Mudança de pensamentos pode mudar a realidade

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Mudança de pensamentos pode mudar a realidade

Date January 28, 2018 21:36

Existe uma linha na Psicologia que explica que os pensamentos são os responsáveis por gerar as emoções e que por sua vez, geram comportamentos.

Max4e Photo / Shutterstock.com

Além desse mecanismo, existem as crenças, formadas desde a infância, que moldam a autoestima e a forma como a pessoa enxerga a si mesma, o mundo e como vê o futuro. Eles são entendidos como pensamentos irracionais e muitas vezes são imperceptíveis.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Estudo consegue mapear mecanismo para controlar os pensamentos indesejados

Dessa forma, se a realidade não está sendo de acordo com o que se gostaria, vale observar como estão os pensamentos, as emoções e os comportamentos. A forma como pensamos altera a nossa realidade e isso já está comprovado pela ciência.

Nem sempre é fácil perceber se os pensamentos estão sendo positivos, porque a mente muitas vezes trabalha rapidamente e a correria do dia a dia e os afazeres podem atrapalhar a auto-observação. Mas nestas horas, é importante parar e observar e começar a mudar os pensamentos.

Max4e Photo / Shutterstock.com

Para isso, é importante encarar a mudança de pensamentos como um exercício constante e uma mudança de hábito. Assim como os exercícios físicos, a higiene diária e a alimentação, o costume de monitorar os pensamentos deve ser incorporado na rotina de forma disciplinada e consistente.

Praticar a auto-observação é o primeiro passo para a mudança. Quando perceber um pensamento ruim, tente mudar o foco, pensando em outras coisas.

Puttida Channum / Shutterstock.com

A prática de exercícios de respiração, caminhadas e tentar sorrir e dar risadas com coisas engraçadas também podem contribuir para a mudança dos padrões de pensamentos.

Pode ser difícil no início, mas sempre vale insistir.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Neurociência revela que os olhos demonstram os pensamentos  


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado.