Na Sibéria, está localizado o vilarejo mais frio do planet

NOTÍCIAS

Na Sibéria, está localizado o vilarejo mais frio do planeta, onde a temperatura chega a -72°C

Date January 18, 2018 12:47

A Vila de Oymyakon, na Sibéria, ganhou o recorde mundial de lugar mais gelado do mundo com habitantes. A temperatura mais baixa registrada no local chegou a -72,2°C em 1926.

Também não é para menos. O lugarejo fica localizado a apenas 350 quilômetros do Círculo Polar Ártico.

gettyimages

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Ele passou 36 anos cavando uma montanha para levar água ao seu vilarejo

E a pergunta que não quer calar: ainda tem gente que vive neste lugar? Sim, o vilarejo abriga 500 habitantes, que convivem com um uma terra que fica congelada durante todo o ano.

A região começou a ser habitada por volta de 1930 pelo governo soviético como uma tentativa de incentivar os povos nômades a fixarem residência. Antes dos habitantes chegarem, a região servia de ponto de descanso de pastores de renas.

gettyimages

Diz-se que os cílios viram pequenos bloquinhos de gelo, as canetas esferográficas também congelam e os peixes congelam em segundos logo após serem pescados. Nem precisa ter geladeira no local. Quando a temperatura cai para -50°, as aulas são suspensas.

Outros imprevistos com o frio que os moradores da região sofrem são canos congelados e até mesmo papel higiênico vira gelo. Os carros contam com garagem aquecida.

gettyimages

A atividade principal da região é a mineração e as pessoas recebem do governo para extrair ouro e antimônio, metal raro encontrado na região. Os moradores também criam cavalos, pescam e caçam.

Todo o aquecimento da cidade é mantido um por uma usina a carvão, durante 24 horas por dias, 365 dias por ano. As casas são adaptados para o frio, mas não possuem água corrente devido ao congelamento dos canos.

Mesmo com o frio extremo, a cidade ainda recebe cerca de 300 turistas por ano que buscam a experiência de viver uma temperatura tão baixa.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Vilarejo na Noruega é invadido por turistas após falha no Google Maps