Pai precisou largar tudo para cuidar do filho doente e teve

SAÚDE E ESTILO DE VIDA

Pai precisou largar tudo para cuidar do filho doente e teve sua dívida perdoada

Date January 19, 2018 13:26

Após descobrir que seu filho Vitor Guide sofria de uma doença rara, em 2001, o pai Adolfo Guide escolheu largar tudo, profissão, trabalho, amigos, para poder buscar tratamento e cura para a doença.

wavebreakmedia / Shutterstock.com

Vitor sofre de Gangliosidose Gm1, doença que causa a falta de uma enzima essencial no corpo, responsável pela reposição das células do cérebro.

Por ser uma doença pouco conhecida, sem muitas informações, o pai Adolfo saiu em busca de qualquer tipo de informação que pudesse ajudar em busca de um tratamento e de uma cura.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: A lei é para todos. Veja 9 famosos com problemas na justiça em 2017

Enquanto o pai corria contra o tempo, a dívida de Adolfo referente às prestações da casa que eram 500 reais mensais, foram se acumulando.

Freedomz / Shutterstock.com

Após encontrar uma forma de tratamento para o filho, Adolfo teve dificuldades para ser aceito no mercado de trabalho. Formado em engenharia mecânica, Adolfo precisou começar do zero, abrindo uma oficina de carros no mesmo lugar onde mora.

A juíza Anne Karina Stepp Amador da Costa não teve como não se sensibilizar com o caso e acabou perdoando a dívida de Adolfo.

Mas o processo não foi assim tão simples. A juíza enviou um oficio para a Vara Criminal de Curitiba, pedindo a conciliação e foi um longo processo que envolveu juízes federais, Ministério Público Federal, conciliadores e procuradores.

A juíza explicou que é um caso excepcional porque se trata de um pai que precisou abrir mão de tudo para cuidar do filho e se perdesse o imóvel, perderia sua única possibilidade de renda atual que é a oficina mecânica.

Histórias como essas nos inspiram a voltar a acreditar na humanidade das pessoas e na esperança na Justiça do Brasil.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Problema na justiça! Marilia Mendonça tem parte dos bens bloqueados por não devolver dinheiro dos ingressos para shows que foram cancelados