Vendedor de quentinhas celebra formatura de filho com parali

SAÚDE E ESTILO DE VIDA

Vendedor de quentinhas celebra formatura de filho com paralisia cerebral

Date November 9, 2017 16:10

Luís Antônio Garcia tem 60 anos, e sua mulher, Rosana Soares, tem 58. O casal ganhou um presente enorme da vida recentemente. O filho, Luiz Bichir, 30 anos, se graduou na universidade em que cursava História. Uma notícia corriqueira se não fosse por um detalhe: o filho de Seu Luís e Dona Rosana possui paralisia cerebral.

O orgulho é ainda maior quando se toma conhecimento da forma como tudo aconteceu.

Muitos altos e baixos levaram esse senhor, natural de Bertioga, interior de São Paulo, a pensar que as coisas não dariam certo. Mais quando Luiz nasceu. Assim que recebeu o diagnóstico do filho (paralisia cerebral), e como não havia um tratamento adequado, Seu Luís levou a família para Brasília em 1993.

E, mesmo com toda a dificuldade e através da rede pública de saúde, o pequeno Luiz conseguiu ser tratado.

Veja também: Vovó dá dicas de como manter um relacionamento de amor para toda a vida e viraliza

Muitos anos mais tarde, em 2012, o filho de Seu Luis passou no vestibular para História e, a partir dali, começava a dar forma para seu sonho. Mesmo com todas as dificuldades, principalmente no primeiro semestre do curso, quando as aulas duravam 12 horas (das 10h às 22h), pai e filho não se deixaram esmorecer e enfrentaram cada desafio juntos.

Luiz precisava da ajuda de Seu Luís, seu pai, para chegar na universidade, pois a paralisia o levou a ficar com pouca mobilidade física. Sem o auxílio da mãe, que voltou para São Paulo para cuidar da própria mãe doente, Luiz confiava todos os seus passos nos braços do pai. E Seu Luís não titubeou um momento sequer.

Dedicado, o pai parou de vender marmitas para viver exclusivamente para o cuidado e o sonho do filho. A situação financeira foi de mal a pior, mas ainda assim seguiram em frente.

Como moravam longe da UnB e os ônibus não tinham acesso para cadeirantes, o sofrimento se tornava pior. E, como se todos os obstáculos fossem poucos, o elevador da instituição não funcionava.

Mas, com esforço e perseverança, nenhum mal dura para sempre. Eles conseguiram uma bolsa mensal, contando com o PPNE (Programa de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais).

Seu Luís, então, pôde voltar ao trabalho. Mas, ele não conseguia se afastar do filho. A ideia foi levar seu negócio para a universidade. A Dona Rosana voltou de São Paulo e a situação financeira deles finalmente começou a melhorar.

Os esforços de Seu Luís finalmente lhe trouxeram o maior prêmio de sua vida, seu filho, que leva o mesmo nome, se formou. Na colação, emocionado e ao lado de Luiz, os guerreiros receberam o diploma e as honras juntos.

Estive com ele todos esses anos, queria estar nesse momento também”, disse.

A família agora procura forças novamente para enfrentar mais um desafio: Luiz precisa urgentemente de um transplante de córnea ou ficará cego. A cirurgia será realizada em São Paulo e por esse motivo, eles voltarão para Bertioga.

Os sonhos de Luiz não findaram. Agora ele pretende graduar-se em Jornalismo pela Unicamp. Ele sabe que sempre que precisar de uma apoio, o pai estará do lado para lhe dar a mão.

Recomendamos para você: Mesmo com uma prótese no quadril, ultramaratonista Márcio Villar superou o recorde do Caminho de Santiago de Compostela