Após sofrer aborto e perder movimento das pernas, mulher te

Após sofrer aborto e perder movimento das pernas, mulher teve mais dois filhos e se tornou psicóloga

Família & Crianças

February 7, 2018 13:29 By Fabiosa

Aos 19 anos, Luciane sofreu um grave acidente que mudou radicalmente sua forma de ver o mundo e a si mesma. Enquanto voltava de uma visita à família, com seu esposo e o filho mais velho, o carro em que vinham foi arremessado em uma ribanceira. Felizmente os três sobreviveram, mas, sem saber até então sobre a sua gravidez, ela acabou sofrendo um aborto e perdeu o movimento das pernas.

Após meses de dor e sofrimento, recuperou a sensibilidade ao toque. Aos poucos permitiu que a revolta desse lugar à aceitação e, despertada por um conselho, parou de se vitimizar. Ela conta que decidiu trocar o questionamento “por que eu?” pelo “para que eu?”.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Rapaz viajou pelo mundo em uma cadeira de rodas. Agora, ele e sua mãe inspiram outras pessoas a fazer o mesmo

Mesmo sem o movimento das pernas, teve mais dois filhos, dos quais cuidava com o apoio dos familiares, mas logo conseguiu se virar sozinha.

Eu aprendi a superar e a me adaptar: cozinhar, lavar, passar. Tem coisas que a gente acha que não vai conseguir fazer, mas faz. (…) As pessoas que têm uma deficiência precisam entender que são capazes. Não estamos limitados. O que a gente precisa é de adaptação. Todos podemos mudar.

Mas ainda faltava realizar um grande sonho: ser psicóloga. Com o apoio dos filhos, já adultos, ela conquistou sua formatura e passou a trabalhar no seu próprio consultório. Esse foi um processo cheio de desafios, que começaram a surgir já no seu primeiro dia na faculdade.

Antes de começar as aulas, eu fui três vezes até a porta da faculdade. Achava que não seria capaz, mas era porque eu não sabia pedir ajuda. Depois, percebi que todos estavam sempre dispostos a ajudar.

Hoje, aos 55 anos, segue fazendo o que ama e cumprindo aquilo que ela chama de “missão”: a de inspirar pessoas com sua própria história.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Acharam que por estar na cadeira de rodas ele ia precisar de ajuda, mas na verdade era ele que estava lá para apoiar